Reino da Sicília

Resumo

O Reino da Sicília foi um Estado soberano que existiu de 1130 a 1816, ou seja, até ao estabelecimento do Reino das Duas Sicílias.

Formada em 1130, sob Roger II de Altavilla (fusão do Condado de Sicília e do Ducado de Apúlia e Calábria) e que durou até ao início do século XIX, a sua soberania foi assegurada pelo Parlamento de longa duração sediado em Palermo. É por isso que é considerado por vários estudiosos como o protótipo do estado europeu moderno. O novo Estado insistiu não só na Sicília, mas também em todos os territórios do Mezzogiorno, atestando-se como o maior e mais importante dos antigos Estados italianos; a sua estrutura jurisdicional tinha sido bem definida desde a promulgação das Assises de Ariano em 1140-1142.

Na sequência de desacordos com Manfred da Suábia, um membro da família imperial Hohenstaufen que tinha sucedido à família Altavilla, o Papa Clemente IV nomeou Carlos I de Anjou como o novo Rex Siciliae na Epifania 1266. Mas o pesado fiscalismo imposto pelos soberanos da dinastia Angevin e o descontentamento generalizado entre todas as camadas da população da ilha levaram à revolta das Vésperas; seguiu-se a Guerra dos Noventa Anos entre Pedro III de Aragão, relacionado com os Hohenstaufen, e os Angevins. Derrotado, a 26 de Setembro de 1282 Carlos de Anjou deixou definitivamente a Sicília sozinha nas mãos dos Aragoneses, que com Frederico III da Sicília deram à luz a Casa Autónoma de Aragão da Sicília.

A estipulação da Paz de Caltabellotta (1302) foi seguida pela divisão formal do reino em dois: Regnum Siciliae citra Pharum (conhecido na historiografia moderna como o Reino de Nápoles desde 1805) e Regnum Siciliae ultra Pharum (Reino da Sicília, que, durante um certo período, de 1282 a 1416, era também conhecido como o Reino de Trinacria). A partir de 1412, os governantes da dinastia aragonesa governaram o ‘Reino da Sicília ultra’ como vice-reino. A partir de 1516 o reino da Sicília com Carlos V passou para os Habsburgos de Espanha, governados por um vice-rei, até 1713 (de facto até 1707). O reino com Carlos de Bourbon entre 1734 e 1735, foi governado em união pessoal com o reino de Nápoles, e assim pelos seus sucessores, até à unificação legal em Dezembro de 1816, com o estabelecimento do Reino das Duas Sicilias.

Com a conquista normanda da Sicília, anteriormente ocupada pelos árabes, que aí tinham criado um emirado, o Grande Condado da Sicília foi fundado em 1071 pela família Hauteville, fundada pelo fundador normanda Roger I em 1061. Os normandos introduziram um novo sistema político-social na Sicília, o sistema feudal.

Em 1085, o Conde Roger acrescentou metade da Calábria aos seus bens e, em 1091, conquistou Malta. Tendo completado a conquista da Sicília com a queda do último reduto árabe de Noto, em 1097 Roger convocou em Mazara a primeira assembleia do que viria a ser um dos parlamentos mais antigos do mundo (os faroenses e a Ilha de Man).

Foi o seu sucessor, Roger II, que em 1121 estendeu o seu domínio sobre Amalfi e Gaeta, sobre parte de Nápoles, Taranto, Cápua e Abruzzi, e em 1127 também sobre o Ducado de Apúlia e Calábria.

É a partir de 1130, com a convocação dos Curiae generales em Palermo, no Palácio Real, para a proclamação do Reino da Sicília, que se pode falar do Parlamento Siciliano, o primeiro parlamento no sentido moderno de um Estado soberano.

O historiador Alessandro Telesino atribui aos círculos de Palermo a ideia de um “golpe de Estado constitucional”: começou a ser sugerido a Roger II, insistentemente e com discursos confidenciais, que ele, com a ajuda de Deus, governasse todas as províncias da Sicília, Calábria, Apúlia e as outras regiões que chegaram quase até Roma, e que já não deveria suportar a honra ducal, mas enobrecer-se com a honra da pompa real. Roger tomou estas sugestões em consideração, reunindo fora da cidade de Salerno um conselho de eclesiásticos eruditos e muito competentes, bem como príncipes, condes, barões e outras pessoas que ele sabia serem de confiança, submeteu o assunto secreto e imprevisto à sua consideração, e eles aprovaram que ele fosse promovido à dignidade real em Palermo. O duque regressou à Sicília, proclamando em todas as suas províncias que quem quer que tenha tido dignidade, poder e honras deveria afluir a Palermo no dia da sua coroação, que teve lugar na noite de Natal de 1130. O Arcebispo Romualdo II Guarna fornece, embora de forma mais concisa, a mesma versão do evento: ‘Postmodum baronum et populi consilio apud Panormum se in regem Sicilie inungi et coronari fecit’.

O historiador Falcone Beneventano e fontes romanas atribuem o nascimento do Reino da Sicília a um caso envolvendo, em 1130, o Papa Inocêncio II e o seu Antipope Anacletus II, ambos sucessores de Honório II, bem como Roger II de Altavila, Conde da Sicília e Duque da Calábria e Apúlia de 1128, às mãos do próprio Honório II.

De acordo com esta versão dos acontecimentos, na noite entre 13 e 14 de Fevereiro de 1130 o Papa Honório II (Lamberto Scannabecchi) morreu e, imediatamente, no seio do Colégio dos Cardeais, a luta pela sucessão entre as mesmas duas facções que já se tinham confrontado alguns anos antes (1124) por ocasião da eleição de Scannabecchi foi reacendida. Os dezasseis cardeais pertencentes à família Frangipane, liderados pelo Cardeal Aimerico, elegeram o Cardeal Gregory Papareschi Pope, que tomou o nome de Innocent II. Os outros catorze cardeais, pertencentes à família Pierleoni, elegeram o Cardeal Pietro Pierleoni como Papa, que tomou o nome de Anacleto II. Pouco tempo depois, Pierleoni conseguiu a aprovação de alguns dos cardeais que tinham eleito Papareschi convergem para ele, recolhendo assim a maioria dos votos do Colégio e acreditando-se como o Papa legítimo.

Uma vez que Inocêncio II não tinha qualquer intenção de renunciar à tiara, abriu-se uma verdadeira cisão dentro da Igreja de Roma, que acabou por envolver principalmente elementos não eclesiásticos, ou seja, alguns dos grandes estados da Europa, como Inglaterra, França e Alemanha, que, juntamente com uma grande parte da Itália, apoiaram Inocêncio II. O Papa Anacletus II, também alvo das suas origens judaicas e completamente isolado, pediu o apoio dos normandos do Duque Roger II, a quem, em troca, ofereceu a coroa real. A dinastia Altavilla, a que o duque pertencia, já tinha conquistado a Sicília, tornando-a um ponto fulcral no comércio e na economia do mundo da época.

O Duque não perdeu a oportunidade e concluiu, a 27 de Setembro de 1130, uma verdadeira aliança militar com o Papa, na sequência da qual este emitiu uma Bula consagrando o Conde da Sicília, bem como o Duque da Calábria e a Apúlia, Rex Siciliae: “Anacletus concedit Rogerio universas terras, quas predecessores Roberto Guiscardo e Rogerio filio eius dederant”; depois, a 27 de Setembro, concedeu ao Duque o poder da realeza: “Concedemos-vos, pois, a vós, ao vosso filho Roger, aos vossos outros filhos que, segundo as vossas disposições, vos sucederão no reino, e aos vossos descendentes, a coroa do reino da Sicília e Calábria e Apúlia e de todas as terras que nós e os nossos antecessores concedemos e concedemos aos vossos antecessores os duques de Apúlia, o lembrado Robert Guiscard e Roger seu filho; e concedemos-te que mantenhas perpetuamente o reino e toda a dignidade real e os direitos reais, para que os possas manter e governar perpetuamente, e nós estabelecemos a Sicília como o chefe do reino”.

Os Curiae generales proclamaram-no rei da Sicília, após o que, na noite de Natal do mesmo ano, retomando uma cerimónia já vista no distante ano 800 na coroação de Carlos Magno, foi coroado em Palermo, Prima Sedes, Corona Regis et Regni Caput, como Roger II, Rex Siciliae, ducatus Apuliae et principatus Capuae.

Rei Roger

O Reino da Sicília nasceu na noite de Natal de 1130, e foi confiado nas mãos do filho do homem que tinha conquistado a Sicília aos árabes. O Reino da Sicília nasceu sob a bandeira da dinastia normanda de Altavilla e incluiu não só a ilha da Sicília, mas também as terras da Calábria e Apúlia. Roger II uniu todo o Sul sob a sua autoridade e criou o terceiro entre os grandes Estados da Europa.

Inocente II, no entanto, considerando-se legítimo pontífice, promulgou a excomunhão contra Anacletus II e declarou todos os seus actos nulos e nulos. Numa série de Conselhos subsequentes – Reims (1131), Piacenza (1132), Pisa (1135) – foi reconhecido como legítimo pontífice pela Inglaterra, Espanha, França, Milão e Alemanha. Em 4 de Junho de 1133 em São João de Latrão, coroou o Imperador Lothair II.

Nesta altura, Anacletus II só podia contar com o apoio da cidade de Roma e dos Normandos do Rei Roger II. Como a cisão entre os dois Pontífices parecia irremediável, o recurso às armas foi forçado, especialmente porque o Imperador Lothair foi incitado a fazê-lo pelas constantes intervenções de Bernardo de Claraval, um feroz inimigo de Anacletus II. Com a descida de Lothair para Itália, começou um conflito entre o Império e os normandos que viu Roger perder gradualmente os territórios da Itália peninsular. Após a partida da Lothair em Outubro de 1137, Roger reconquistou Salerno, Avellino, Benevento e Cápua. Também Nápoles, após um ano de cerco, foi forçada a capitular em 1137 e precisamente por causa do reinício da Lothair.

Em Dezembro de 1137, o imperador Lothair morreu e alguns meses mais tarde, em 25 de Janeiro de 1138, Anacletus Anacletus II também morreu. A família Pierleoni elegeu um novo anti-popa na pessoa do Cardeal Gregory com o nome de Victor IV, mas a renúncia deste último em Maio de 1138, três meses após a eleição, especialmente a pedido de Bernard de Clairvaux, deu luz verde para a plena legitimação de Inocêncio II, que também foi reconhecido em Maio de 1138 pelos cardeais leais à família Pierleoni. Assim terminou a cisão no seio da Igreja de Roma.

No início de 1139, teve lugar o Conselho Lateranense, que confirmou a ilegitimidade de Anacletus II e a nulidade de todos os seus actos. O Conselho voltou a confirmar a excomunhão contra o antipopular e Roger. Depois disto, o próprio Pontífice à frente de um exército forte moveu-se contra Roger. Mas as capacidades militares superiores do rei siciliano levaram-no mesmo a tomar o Papa Inocêncio como refém em Monte Cassino, que, compreendendo que não podia fazer frente ao inimigo, teve de confirmar a sua coroa real. A 27 de Julho de 1139, perto de Mignano, foi estabelecido o privilégio através do qual se confirmou a elevatio in regem, juntamente com a anexação do território de Cápua.

Roger II fez do Reino da Sicília um dos Estados mais poderosos e melhor ordenados da Europa, dando-lhe uma base legislativa com as Assises de Ariano, promulgada em 1140 em Ariano di Puglia, o corpus jurídico que formou a nova constituição do Reino da Sicília. Foi também responsável pela instituição do Catalogus baronum, a lista de todos os senhores feudais do reino, elaborada para estabelecer um controlo mais estreito do território, das relações vassalas e, portanto, do potencial do seu exército. Foi elaborado segundo o modelo do dîwân al-majlis, introduzido na Sicília pelos anteriores governantes de Fatimid para controlar a transferência da propriedade da terra.

Posteriormente, os Hautevilles dedicaram-se a expandir o seu reino, anexando Nápoles ao norte mas também e especialmente vários territórios do Norte de África (Malta, Gozo e parte do Norte de África, incluindo o interior da Tunísia-Líbia entre Bona e Tripoli) e Corfu. Por volta de 1140 Tunis foi subjugada por Roger II. Em 1146 uma grande frota siciliana sob o comando de George de Antioquia, almirante de Roger II, navegou de Trapani e conquistou Trípoli e Tripolitânia costeira, que permaneceu sob o Reino da Sicília até quase ao final do século.

Roger II pensou em estabelecer um “Reino Normando de África” nestas possessões no chamado Ifriqiya com a intenção de o unir ao Reino da Sicília, mas a sua morte em 1154 impediu-o de o fazer. Em 1160 os sicilianos perderam Mahdia e em 1180 o resto de Ifriqiyya.

Guilherme I

Com a morte de Roger II, o seu filho Guilherme I sucedeu-lhe ao trono, e logo teve de enfrentar uma situação política difícil devido à ameaça do Império Germânico trazida por Barbarossa, a do Império Bizantino trazida por Manuel I Comnenus, e a do papado governado por Adrian IV. No início de 1155, Manuel Comnenus recebeu a notícia de que os barões da Apúlia nunca tinham olhado favoravelmente para a família Hauteville, e tencionavam rebelar-se. Revoltando-se contra o rei da Sicília, o Conde Robert de Loritello fez um acordo com o Império Bizantino.

Frederick Barbarossa, que estava em Ancona, estava disposto a tomar o partido dos bizantinos, mas os seus barões recusaram devido ao clima árido e às doenças que tinham afectado as tropas. A primeira cidade a cair foi Bari, que rapidamente se rendeu, no exército siciliano de Andria Guilherme foi dizimada. O Papa Adriano IV estava satisfeito com o progresso dos bizantinos no Reino da Sicília, pois pensava que poderia mais facilmente alargar as fronteiras dos Estados papais. A 29 de Setembro de 1155, o Papa juntou-se aos bizantinos na guerra, e marchou com o seu exército: em pouco tempo os bizantinos e o Papa conquistaram toda a Apúlia e Campania. William I não se resignou e reorganizou o seu exército, e com apenas uma batalha perdida para os bizantinos, tudo o que tinha sido conseguido num ano foi desfeito.

Com a perda dos territórios conquistados em África (1160), as relações com os nobres voltaram rapidamente a ser prejudicadas. Matteo Bonello, inicialmente leal à coroa siciliana de Palermo, foi enviado à Calábria como embaixador do Rei Guilherme I para procurar uma solução diplomática. Durante a missão, contudo, ele mudaria de orientação e lideraria uma revolta (composta pela nobreza calabresa e apuliana) contra o rei. A 10 de Novembro de 1160, chegou a Palermo e nas ruas da capital siciliana capturou e executou publicamente o almirante do reino, Maione di Bari. O Rei Guilherme foi forçado, para reprimir a revolta, a declarar que não iria prender Bonello; este último retirou-se para Caccamo e reorganizou uma conspiração contra o próprio Guilherme. Tendo capturado o soberano, a conspiração acabou por incluir a conquista de Palermo, mas, por razões obscuras, Bonello não deslocou as suas tropas. Traído, Bonello foi capturado pelo rei e encarcerado até à morte. Tendo falhado a revolta em Palermo, Ruggero Sclavo, aliado a Tancredi, Conde de Lecce e futuro rei da Sicília, atirou-se aos sarracenos, o rei respondeu e confinou-os fora do reino: Tancredi reparou a Bizâncio, Ruggero talvez tenha ido para a Terra Santa.

Guilherme II

Na morte de Guilherme I em 1166, o seu filho Guilherme II, o Bom, com apenas 12 anos de idade, ascendeu ao trono sob a tutela da rainha mãe. O rei pôde desfrutar de um período de relativa estabilidade e reconciliação nas relações entre as diferentes facções do reino. Em 1172 Guilherme II reformou a Magna Curia, dividindo a instituição em Magna Curia rationum, o organismo financeiro supremo, e Magna Curia com as funções do Supremo Tribunal de Justiça. Em 1176, Alfano di Camerota, Arcebispo de Cápua, foi enviado para negociar um casamento com a filha de Henrique II de Inglaterra, para estabelecer uma aliança entre as famílias Hauteville e Plantagenet. A missão foi realizada com sucesso e a princesa foi levada para a capital. Em Palermo, a 13 de Fevereiro de 1177, William casou com Joan Plantagenet (1165-1199), irmã de Ricardo o Coração de Leão. Após a morte de Manuel I Comnenus (1180), o herdeiro designado Alexius II foi assassinado e o trono usurpado pelo seu tio Andronicus I Comnenus. Guilherme II aproveitou a oportunidade da chegada ao tribunal de Palermo de um indivíduo que alegava ser Alexius II, para atacar Bizâncio. A expedição, sob o comando de Tancred, aterrou em Durrës em Junho de 1185 e chegou a Tessalónica, que foi tomada na noite de 23-24 de Agosto, Bizâncio também parecia ao nosso alcance, quando Isaac II Angelo tomou o lugar do incapaz usurpador Andronicus e o exército bizantino reorganizou-se contra o ataque siciliano. No final do Verão, a grande frota siciliana teve de regressar à ilha.

Entretanto, Guilherme II iniciou negociações com o Imperador Frederico I para o casamento da sua tia Constança e do filho do Imperador Henrique VI, um casamento que foi celebrado em Milão a 27 de Janeiro de 1186. Apesar da juventude de Guilherme e da sua esposa Joana, nenhum descendente nasceu da sua união, estando expressamente prevista a possibilidade de nenhum descendente nascer no contrato de casamento para o casamento de Henrique VI Hohenstaufen e Constança de Hauteville, a última filha de Roger II e a tia de Guilherme, a quem teria sido dado o Reino da Sicília.

O reinado de Guilherme foi particularmente frutuoso para as artes na Sicília. Entre as obras iniciadas por Guilherme, a Catedral de Monreale, construída a partir de 1174 com a aprovação do Papa Lúcio III, e a Abadia de Santa Maria di Maniace, fortemente desejada pela Rainha Madre Margarida, merecem ser mencionadas. A esplêndida construção da Zisa, iniciada pelo antecessor Guilherme I, foi também concluída sob o seu reinado. Foram também realizadas notáveis intervenções construtivas na Catedral de Palermo.

Tancred e o fim da dinastia Hauteville da Sicília

Tancred, que estava no exílio em Bizâncio pela conspiração contra o Rei Guilherme o Mau, só regressou à Sicília em 1166 depois de Guilherme II o Bom ter assumido o trono. Quando Guilherme, o Bom, morreu (1189), como não havia descendentes directos, surgiu o problema da sucessão. Após a sua morte sem descendentes directos, Guilherme II nomearia a sua tia Constance de Altavilla como herdeira e obrigaria os cavaleiros a jurar fidelidade a ela. Parte do tribunal palermitano, também na esperança de apoio papal, simpatizou com o Tancred, por mais ilegítimo que seja, o último descendente masculino da família Altavilla. O Papa Clemente III, que não olhou favoravelmente para os Swabians, aprovou a coroação de Tancred em Palermo como Rei da Sicília em Novembro de 1189.

Quando Henrique VI, marido de Constança de Hauteville, sucedeu ao seu pai Frederick Barbarossa no trono (1191), decidiu imediatamente reconquistar o Reino da Sicília, apoiado pela frota da República de Pisan, que sempre tinha sido leal ao imperador. Contudo, a frota siciliana conseguiu derrotar a frota de Pisan, dizimar o exército de Henry, e capturar e aprisionar a sua tia Constance em Salerno. Para a libertação da Imperatriz, Tancred exigiu que o Imperador chegasse a um acordo de tréguas, mas a trégua já não estava estipulada uma vez que, a caminho de Roma, o comboio foi atacado e a Imperatriz libertada.

Em Agosto de 1192 Tancred casou o seu filho Roger com Irene Angelo (1180-1208), filha do imperador bizantino Isaac II Angelo. Roger III nomeado para o suceder ao trono morreu em Dezembro de 1193 com a idade de 19 anos, sendo Guilherme III nomeado no seu lugar. Tancred morreu aos 55 anos de idade, em Fevereiro de 1194, de uma doença não especificada, enquanto se dedicava a uma campanha na parte peninsular do reino para reduzir os seus vassalos da fé imperial à obediência. Foi assim sucedido ao trono por Guilherme III, com apenas 9 anos de idade, com a regência da sua mãe Sibyl. Em Julho de 1194, o Imperador Henrique VI partiu para a parte peninsular do reino para a conquistar (que afirmava ter casado com Constança de Hauteville), prosseguindo depois para a Sicília, aterrando com o seu exército em Messina, que foi colocado à espada. Em troca do trono, William e a sua mãe foram oferecidos ao condado de Lecce, mas alguns dias depois (28 de Dezembro) Henrique acusou Sibylla de conspirar e mandou prendê-la, ao seu filho, às suas filhas e a toda a nobreza a eles leal. Guilherme III foi deportado para a Alemanha, onde viveu num estado de semi-prisão até à sua morte, em 1198, aos 13 anos de idade.

Os reis da dinastia Altavilla da Sicília

Henrique I

Em 25 de Dezembro de 1194, após ter conquistado o trono e subjugado a Sicília com o apoio das frotas Genovesa e Pisana e pela força das armas, Henrique VI foi coroado rei da Sicília com o nome “Henrique I da Sicília”. No dia seguinte à coroação, a sua esposa Constance de Altavilla deu à luz em Jesi o tão esperado herdeiro, Frederick II, a quem foi dado o nome Frederick Roger em honra dos seus dois ilustres avôs ‘Frederick Barbarossa de Hohenstaufen’ e ‘Roger II de Altavilla’. Apesar da facilidade com que tinha conquistado o Reino da Sicília, Henrique VI usou crueldades atrozes, até o tio de Guilherme III, o Conde Ricardo de Acerra, um veterano da cruzada, foi encarcerado.

A imperatriz Constança, dividida entre o papel de esposa de uma figura temida e odiada e o de descendente de uma família amada pelo povo siciliano, desenvolveu uma espécie de ódio contra os alemães. Henry estava consciente de que o seu poder, por muito enorme que fosse, não tinha unidade, e via o nascimento do herdeiro como a oportunidade certa para realizar um projecto orgânico. Em 1196, o imperador decretou a execução feroz de Ricardo de Acerra, na sequência da qual acreditava ter descoberto mais uma conspiração contra ele, suspeitando que o Papa Celestino III também estivesse envolvido. Henrique tocou a sua mão e ordenou repressões sangrentas e execuções em massa, o clima de terror que se apoderou da Sicília só diminuiu com a morte súbita do imperador. Na noite de 28-29 de Setembro de 1197, morreu de um surto de infecção intestinal, possivelmente como resultado de envenenamento pela sua esposa, que lhe sobreviveu pouco mais de um ano.

Frederick II

Quando Henrique VI morreu prematuramente em 1197 em Messina, foi sucedido pelo ainda bebé Frederick II (a sua mãe Constance governou por ele como regente até à morte da última Rainha Altavilla da Sicília em 1198.

Em 18 de Maio de 1198, quando tinha apenas quatro anos de idade, Frederico II foi coroado Rei da Sicília e confiado à tutela do Papa Inocêncio III. A principal preocupação do Pontífice era manter o Império e o Reino da Sicília separados, pelo que confiou o jovem rei a um conselho de regência, reconhecendo a sucessão ao trono siciliano, enquanto na Alemanha apoiou Otto IV de Brunswick, um candidato de Guelph que se opunha a Filipe da Suábia, tio de Frederick. De 1201 a 1206 Frederick, sob a tutela de Marcovaldo e depois Guglielmo di Capparone, recebeu uma educação real, embora alguns autores afirmem que foi criado pelo povo mais pobre e autodidacta de Palermo.

Em 1208, aos 14 anos de idade, Frederick II emergiu da tutela papal e assumiu directamente o poder no reino da Sicília. No mesmo ano, Filipe da Suábia foi assassinado, e Otto recebeu a coroa imperial, mas quando não cumpriu os pactos feitos anteriormente com o Papa, este último começou a apoiar os direitos do jovem Frederico à sucessão, que foi eleito Rei da Alemanha e Rei dos Romanos em 1212. Consciente da sua fraqueza política, Frederick concordou em limitar a interferência da coroa nos assuntos da Igreja siciliana e concedeu ampla autonomia aos grandes senhores do Império (Golden Bull of Eger, 1213). Tendo derrotado Otto em Bouvines, Frederick foi coroado Rei da Alemanha na Capela Palatina em Aachen. Como condição para ascender ao trono, Frederico II prometeu a Inocêncio não unir o Império e o Reino da Sicília numa única entidade estatal. Frederick não deu nenhum sinal de que abdicaria do Reino da Sicília, embora mantivesse a sua firme intenção de manter as duas coroas separadas.

Tinha, portanto, decidido deixar o Reino da Alemanha para o seu filho Henrique, mantendo ao mesmo tempo a autoridade suprema como imperador. Sendo de mãe siciliana e tendo sido educado na Sicília, é provável que se sentisse mais siciliano do que alemão, mas, acima de tudo, estava bem consciente do potencial do seu reino. Frederico foi imediatamente pressionado pelo novo papa para cumprir a sua promessa de chamar a cruzada, o pontífice sentiu que a única forma de amarrar Frederico era nomeá-lo imperador, e a 22 de Novembro de 1220 o Suábio foi coroado imperador em São Pedro em Roma pelo Papa Honório III. Circunvocando os contínuos pedidos do Papa Honório III para empreender a cruzada, foi excomungado por atrasar a sua partida para a Terra Santa (1227), Frederick, tendo mantido o seu voto de cruzada, obteve a cessão de Jerusalém do Sultão do Egipto e foi coroado Rei de Jerusalém em 1229. Este resultado positivo da passagem que ele conduziu, contudo, foi ofuscado pela cruzada que o Papa se virou contra ele precisamente por ter feito um acordo com um “infiel”. Forçado a regressar a Itália com pressa para se opor ao exército papal, chegou a um acordo (Paz de Ceprano, 1230) pelo qual renunciou ao seu direito de confirmar as nomeações episcopais na Sicília, em troca da revogação da sua excomunhão. Entretanto, as cidades da Liga Lombard tinham entrado na diatribe entre o papa e o imperador e a antiga divisão entre Guelphs e Ghibellines tinha sido retomada.

Aproveitando-se de um período de paz, o soberano dedicou-se aos assuntos internos dos seus domínios. Conduziu intensa actividade legislativa em Cápua e Catânia em 1220, Messina em 1221, Melfi em 1224, Syracuse em 1227 e San Germano em 1229, centralizando o poder nas suas próprias mãos ao afastá-los dos senhores feudais que os tinham usurpado anteriormente. Em Agosto 1231, no Castelo de Melfi, Frederico II, com a ajuda do seu notário de confiança Pier della Vigna, emitiu as Constitutiones Augustales (também conhecidas como as Constituições de Melfi ou Liber Augustalis), um código legislativo do Reino da Sicília, baseado no direito romano e normando, considerado entre as maiores obras da história do direito. Era para dar origem a um estado centralizado, burocrático e tendencialmente nivelador, com características que os historiadores consideraram ‘modernas’… Dois anos mais tarde, ele apertou a legislação anti-herética, equiparando a heresia a crimes de lese majestade.

Estava também preocupado em formar uma classe de funcionários instruídos que pudessem cuidar dos assuntos públicos através da fundação da Universidade de Nápoles. Promoveu também a escola médica de Salerno, a primeira e mais importante instituição médica da Europa na Idade Média. Palermo e a corte tornaram-se o centro do Império, e graças ao patrocínio do rei (definido pela sua cultura como Stupor mundi), tornou-se um importante centro cultural, um ponto de encontro das tradições gregas, árabes e judaicas. A Escola de Poesia Siciliana nasceu aqui com o primeiro uso da forma literária de uma língua românica, o siciliano, antecipando a escola toscana em pelo menos um século. Um dos expoentes mais importantes da escola siciliana foi Jacopo da Lentini, inventor do soneto. Muitos historiadores – como Santi Correnti escreve – viram em Federico a antecipação política da “figura do príncipe da Renascença” ou do “nacionalismo do Risorgimento”.

Na esfera militar, o soberano teve o cuidado de estabelecer algumas câmaras reais (fábricas e depósitos de armas) nos principais bastiões do reino: em Ariano, Canosa, Lucera, Melfi, Messina e no próprio Palermo. O seu reinado foi de facto caracterizado por lutas contra o papado e as comunas italianas, nas quais ganhou vitórias ou cedeu a compromissos. Devemos recordar a notável vitória que Frederick alcançou em Novembro de 1237 sobre a Liga Lombard em Cortenuova, ganhando o Carroccio que enviou como homenagem ao Papa. No ano seguinte o seu filho Enzo (ou Enzio) casou com Adelasia de Torres, viúva de Ubaldo Visconti, juiz de Torres e Gallura, e Frederick nomeou-o Rei da Sardenha. A Sardenha foi prometida em sucessão ao Papa, que imediatamente excomungou Frederick durante a Semana Santa. Para evitar que o conselho confirmasse solenemente a sua excomunhão, bloqueou as rotas terrestres para Roma e mandou capturar dois cardeais e muitos prelados. As tropas imperiais chegaram às portas de Roma, mas a 22 de Agosto de 1241, o velho Papa Gregório IX morreu e Frederick declarou diplomaticamente que estava a combater o Papa, mas não a Igreja (ainda estava sob excomunhão), e retirou-se para a Sicília. O Papa Inocêncio IV decidiu que a subjugação da Lombardia ao império não podia ser aceite, e convocou o conselho, que não só confirmou a excomunhão de Frederick, como até o depôs apelando aos inimigos de Frederick na Alemanha para que nomeassem outro imperador. Em 1250 Frederick foi vítima de uma grave doença abdominal, possivelmente devido a doença negligenciada, durante uma estadia na Apúlia; segundo Guido Bonatti, foi envenenado. A sua morte foi seguida de lutas pela sucessão ao trono.

Manfred, o último rei da dinastia suábia

No seu testamento, Frederico II nomeou o seu segundo filho Conrado IV como herdeiro e sucessor universal do trono imperial, o trono da Sicília e o trono de Jerusalém, e deixou Manfred o Principado de Taranto com outros feudos menores, bem como o tenente do Reino da Sicília. Em Outubro de 1251 Conrado dirigiu-se à península onde se encontrou com os vigários imperiais, e em Janeiro de 1252 aterrou em Siponto, tendo depois prosseguido com Manfred para pacificar o reino. Em 1253, puseram os condados rebeldes de Caserta e Acerra sob o seu controlo, conquistaram Cápua e finalmente Nápoles em Outubro. A 21 de Maio, Conrado morreu de malária, deixando o seu filho Corradin sob a protecção do papa. O Papado, que ainda desaprovou o estabelecimento da casa imperial da Suábia, prometeu o reino a Edmund, o Corcunda, na condição de que ele ocupasse o reino com um exército próprio. Manfred, no entanto, graças aos bons dotes diplomáticos herdados do seu pai, concluiu um acordo com o pontífice, que viu a ocupação papal com uma simples reserva dos direitos do Corradino e dos seus próprios direitos. Manfred, não se sentindo seguro diante do Papa, alistou um enorme exército para travar uma guerra contra o exército papal, que ele derrotou perto de Foggia. Durante 1257 a guerra prosseguiu vantajosamente para os Suábios, Manfred encaminhou o exército papal e domou as rebeliões internas.

À medida que a notícia da morte de Corradino se espalhou em 1258, provavelmente pelo próprio Manfred, os prelados e barões do reino convidaram Manfred a tomar o trono e este foi coroado a 10 de Agosto na catedral de Palermo. Esta eleição não foi reconhecida pelo Papa Alexandre IV, que por isso considerou Manfred um usurpador. Entre 1258 e 1260, o poder de Manfred, que se tinha tornado líder da facção Ghibelline por toda a parte, espalhou-se pela península, o seu poder também aumentou com o casamento da sua filha Constança com Pedro III de Aragão (1262). Manfred, porém, foi excomungado, e em 1263 o Papa francês Urban IV ofereceu a coroa a Carlos I de Anjou, irmão do Rei de França Luís IX. Esta última promoveu uma expedição militar para conquistar o reino. Manfred foi derrotado na batalha decisiva de Benevento a 26 de Fevereiro de 1266. As milícias sicilianas e sarracenas, juntamente com os alemães, defenderam energicamente o seu rei, enquanto as italianas abandonaram Manfred, que morreu lutando com desesperada valentia.

Os reis da dinastia suábia da Sicília (Hohenstaufen)

Carlos, tendo conquistado o reino, já não convocou o parlamento siciliano, eliminou uma grande parte da nobreza suspeita de lealdade à dinastia anterior e substituiu os seus expoentes por pequenos senhores feudais mais fiáveis, que tinham descido com ele de França para o reino. Assim, ele escolheu funcionários governamentais estrangeiros, com excepção dos cobradores de impostos, e o comércio, que com os suábios foi tratado por comerciantes sicilianos, apulianos e napolitanos, logo passou para as mãos de comerciantes e banqueiros toscanos. O soberano no seu governo contribuiu para o empobrecimento dos camponeses e para o excesso de paciência dos senhores feudais nas zonas rurais. Estes, habituados a uma espécie de anarquia nobre derivada da tradição feudal a que estavam habituados, não sabiam como se adaptar aos costumes burocrático-administrativos da era normando-suábia em uso no Sul. Não é por acaso que foi precisamente durante o reinado de Carlos I que o carácter de deslealdade ao trono, violência e arbitrariedade típica da aristocracia meridional se instalou com a chegada dos seus barões. Esta situação logo levou a nobreza exasperada a procurar um libertador, que logo foi encontrado na pessoa de Conrado da Suábia, filho de Conrado IV, neto de Manfred e último descendente da dinastia Hohenstaufen. Em 1268, Corradino tentou recuperar a coroa, mas foi derrotado na Batalha de Tagliacozzo, acabando por ser decapitado na Praça do Mercado em Nápoles. Enterrado na Igreja do Carmim em Nápoles, a sua juventude e a sua morte mantiveram viva a sua memória. Após a morte de Corradino, Carlos preferiu residir em Nápoles, que se tornou o principal centro da Terra di Lavoro e capital após as Vésperas sicilianas de 1282.

Carlos continuou a política dos seus antecessores: ele também aspirava a controlar toda a Itália e a hegemonia sobre a bacia mediterrânica. Inicialmente, precisamente na prossecução deste sonho hegemónico, juntou-se à última cruzada organizada pelo seu irmão Luís IX de França. Tendo falhado a expedição ao Norte de África, o rei tentou construir uma sólida rede de alianças políticas estrangeiras com o Papado (em Roma recebeu o título de senador), com Guelph Florence, cujos banqueiros lhe concederam uma linha de crédito privilegiada, e com Veneza. Com a cidade lagunar, concordou com a divisão do Mar Adriático e dos Balcãs: em função disso, ligou-se por laços familiares com o Reino da Hungria, tendo o seu filho, Carlos II, casado com a filha de Estêvão V. Carlos também se candidatou ao império e fez reivindicações ao trono Hierosolymitan.

Apesar de ser reconhecido como o líder do partido Guelph, o Papado franziu o cenho à empresa de Carlos. Parece mesmo que Roma se aproximou da Igreja Ortodoxa, sob os pontificados de Gregório X e Nicolau III, para evitar que os angevinos se fizessem passar por defensores da cristandade latina. Para o fazer, impediram activamente os seus planos de reconquistar Constantinopla. Os próprios Guelphs foram vistos com suspeita, pois eram culpados de estarem mais empenhados em conquistar o poder nas suas cidades e impor ali um senhorio de Carlos do que em defender a liberdade da Igreja de Roma. Com a ascensão ao trono papal de Martin IV, um papa mais favorável a ele, o rei da Sicília pôde preparar um plano para conquistar o Império Bizantino.

As Vésperas Sicilianas

Mas este projecto permaneceu no papel porque uma revolta, conhecida como as Vésperas Sicilianas, eclodiu na Sicília a 29 de Março de 1282. Entretanto, os sicilianos, face à aliança entre o Papado e os angevinos, ofereceram a coroa da Sicília a Pedro III de Aragão, transformando a revolta num conflito político entre os sicilianos e os aragoneses de um lado e os angevinos, o Papado, o Reino de França e as várias facções guelph do outro.

As causas da insurreição siciliana residiam no forte descontentamento com os angevinos. Foi causado tanto pela decisão de transferir a capital do reino para Nápoles como pela impopularidade do novo governo, que estava a reduzir o país à miséria. A situação precipitou-se quando, de acordo com a reconstrução histórica, um soldado francês, um Drouet, desrespeitou uma mulher siciliana. O gesto, imediatamente vingado pelo seu marido, que matou Drouet, desencadeou uma insurreição que imediatamente se espalhou de Palermo por toda a Sicília.

Diz-se que os sicilianos, a fim de detectar franceses disfarçados entre os plebeus, recorreram a um shibboleth, mostrando-lhes grão-de-bico (aqueles que foram traídos pela sua pronúncia francesa (sciscirì) foram imediatamente mortos. De acordo com a tradição, as Vésperas foram organizadas em grande segredo por importantes membros da nobreza siciliana, tais como Giovanni da Procida, Alaimo di Lentini, Gualtiero di Caltagirone e Palmiero Abate. Os sicilianos juraram fidelidade à Igreja Católica, e rejeição de nova submissão a um rei estrangeiro, declarando-se ao mesmo tempo uma confederação de comunas livres (Communitas Siciliae). O sucesso da communitas Siciliae dependia essencialmente do consentimento da Igreja, deve ter sido bem conhecido que o papa tinha uma relação política antiga e bem estabelecida com o Reino de França (ele próprio era francês) e com Carlos de Anjou.

Os reis da dinastia Angevin da Sicília

Charles I (1266-1282)

As Guerras das Vésperas

Como marido de Constança II da Sicília, filha de Manfred, considerou-se detentor da coroa da Sicília e chegou à ilha a 30 de Agosto de 1282, e em Setembro cingiu-se com a coroa do reino, com o nome de Pedro I da Sicília, deixando a sua mulher Constança II como regente, e regressando a Aragão.

Este envolvimento alargou o conflito: o Papa Martin IV e o rei francês Filipe III apoiaram os angevinos. Contra Pedro, o Papa Martin proclamou uma cruzada, à cabeça da qual foi colocado o sobrinho de Carlos I, o rei francês Filipe III, o Negrito. Contudo, as mortes dos protagonistas em 1285 (Martin IV, Pedro III, Filipe III e Carlos I) significaram que a guerra se tornou endémica e prolongada. Uma primeira tentativa de resolver o conflito foi feita em 1295 em Anagni sob os auspícios da Santa Sé: o novo rei James I, interessado em restabelecer relações com o Papa, prometeu a Carlos II de Anjou ceder-lhe a Sicília aquando da sua morte. Os sicilianos, contudo, prevendo um regresso sob o odiado Anjou, rebelaram-se e ofereceram a coroa da ilha ao irmão de James, Frederick, que, investido pelo Parlamento Siciliano e pelo Voluntas Siculorum foi coroado Rei da Sicília na Catedral de Palermo com o nome de Frederick III.

A primeira fase do conflito terminou em 1302 com a Paz de Caltabellotta, que estabeleceu a divisão do reino em dois: Regnum Siciliae citra Pharum (Reino de Nápoles) e Regnum Siciliae ultra Pharum (também conhecido, por um breve período, como Reino de Trinacria), com a condição de Frederico III continuar a reinar com o título de Rei de Trinacria, e que na sua morte a coroa reverteria para os angevinos. Este último, porém, em 1313 reivindicou o título de rei para o seu filho Pedro, e mudou o título para “rei da Sicília”, criando o absurdo de existirem dois reinos da Sicília e dois reis da Sicília, o que provocou a inevitável reacção angevina e o reinício da guerra que se arrastou até 20 de Agosto de 1372, quando terminou após noventa anos com o Tratado de Avignon assinado por Joana de Anjou e Frederico IV da Sicília e com o assentimento do Papa Gregório XI.

O Reino de Trinacria

Em 1285, com a morte de Pedro I, o seu segundo filho, Tiago o Justo sucedeu-lhe no trono da Sicília como Tiago I, enquanto, como filho mais velho, Alfonso III o sucedeu no trono de Aragão e Valência e no Principado da Catalunha. Em 1291, com a morte súbita de Alfonso III, Tiago, seu sucessor, subiu ao trono de Aragão, deixando o tenente na Sicília para o seu irmão Frederick, que se mostrou imediatamente muito atento às exigências dos sicilianos. A 12 de Junho de 1295, James I e Carlos II de Anjou procuraram uma saída para o conflito das Vésperas com o Tratado de Anagni, que entregou a Sicília ao Papa, que por sua vez a entregaria de volta aos angevinos em troca dos reinos da Sardenha e Córsega. Assim, os sicilianos sentiram-se traídos e abandonados e, neste contexto, o Parlamento Siciliano, reunido no Castelo de Ursino em Catânia, elegeu Frederick como Rei da Sicília, repudiando James. A 15 de Janeiro de 1296, o Parlamento reconheceu Frederico III como Rei da Sicília.

A coroação oficial teve lugar a 25 de Março de 1296 na Catedral de Palermo. Frederick retomou a guerra das Vésperas, depois Bonifácio VIII, no início de 1297, convocou Tiago II e Carlos II de Anjou para Roma e exortou-os a reconquistar a Sicília de acordo com o Tratado de Anagni. Frederico III conseguiu resistir às ofensivas lançadas por muitos países europeus: o Reino de França, o Papado, o Reino Angevino de Nápoles, as cidades Guelph italianas e o Reino de Aragão, e em 1302, com a Paz de Caltabellotta, foi reconhecido como Rei de Trinacria.

Em 1313, a guerra entre os angevinos e a Sicília foi retomada; no ano seguinte, o parlamento siciliano, ignorando o acordo assinado com a Paz de Caltabellotta, confirmou Frederick com o título de Rei da Sicília e já não de Trinacria, e reconheceu o seu filho Pedro como herdeiro do reino. Em 1321, Frederick teve o seu filho Pedro coroado como co-regente e seu sucessor, atraindo a ira do Papa João XXII, que lançou o interdito sobre a Sicília e o levantou apenas em 1334. Frederick foi sucedido pelo seu filho Pedro II em 1337. O seu curto reinado foi marcado por fortes contrastes entre a coroa e os nobres. A 15 de Agosto de 1342, foi sucedido pelo seu filho mais velho, Ludovico, sob a tutela da sua mãe, Elisabetta da Caríntia, e do seu tio, Giovanni, que se tornou regente, o que levou a uma grande instabilidade política e a uma crise económica na ilha. Ludwig morreu da peste em 1355 com apenas 17 anos de idade. Frederico IV sucedeu ao seu irmão Ludovico, sob a tutela da sua irmã, Eufémia, que foi nomeada regente. Frederick IV será recordado sobretudo por ter terminado definitivamente a disputa contra os Angevins, governantes de Nápoles, após uns bons noventa anos de guerras mútuas, com o Tratado de Avignon em 1372. Rainha de Nápoles Joana I renunciou aos seus direitos formais sobre a Sicília, aceitando um facto consumado, doravante o Sul continental seria também oficialmente chamado o Reino de Nápoles. Na morte de Frederico IV, aos trinta e seis anos de idade, a sua filha Maria da Sicília herdou a coroa do reino da Sicília sob a tutela de Artale I Alagona; isto foi considerado ilegal, uma vez que Frederico III proibiu a sucessão por linha feminina.

Em 1392 casou com Martin o Jovem, considerado pelos sicilianos como um usurpador, uma vez que a sua união foi o resultado do rapto de Maria por William Raymond III Moncada com a aprovação secreta de Pedro IV de Aragão. Com a morte de Maria em 1401, a dinastia Aragonese-Siciliana foi extinta. No mesmo ano, Martin repudiei o Tratado de Avignon e governei a Sicília sozinho, já não se considerando um vassalo dos Reis de Nápoles. A 21 de Maio de 1402, em Catânia, casou num segundo casamento, Bianca de Evreux, que se tornou rainha consorte de Trinacria. Com a morte de Martin I, o seu pai Martin I de Aragão tornou-se rei da Sicília sob o nome de Martin II. Por falta de herdeiros, esta linha de sucessão causou o fim da independência do reino da Sicília. Durante um curto período, a sede do reino foi Catânia. Sobre a morte de Martin II (1410), seguiu-se um período de incerteza conhecido como o interregno, que durou dois anos.

União com a Coroa de Aragão e Viceroyalty

Com o Compromisso de Caspe em 1412, as Cortes decidiram que Ferdinand el de Antequera, infante da linhagem castelhana de Trastámara que foi proclamado rei em 28 de Junho de 1412, seria soberano da coroa de Aragão e rei da Sicília. Blanche de Evreux foi nomeada pelo rei Fernando I de Aragão como rainha com o título de vigária do reino da ilha. Durante pouco tempo, os sicilianos esperavam voltar a ter a sua própria corte, pois Martin I casou com Bianca, e assim alguns nobres sicilianos tentaram oferecer Niccolò Peralta como consorte à rainha. Em 1416, Bianca tornou-se rainha de Navarra, com a consequência de que a ilha perdeu a sua independência como reino e tornou-se vice-reitora.

Quando Fernando I morreu a 2 de Abril de 1416, Alfonso o Magnânimo reinou, este último, vendo que os sicilianos, devido à sua sede de independência, queriam eleger o seu irmão João, governador em nome do seu pai, como rei da Sicília, chamou-o de volta à corte e enviou-o para Castela para ajudar o seu outro irmão, Henrique de Trastàmara.

Afonso também uniu o reino de Nápoles à coroa de Aragão e uniu-o mesmo que apenas formalmente sob a coroa de rex Utriusque Siciliae, uma vez que a investidura papal e os reinos se tinham tornado agora dois. Fundou a universidade mais antiga da Sicília (Siciliae Studium Generale) em Catânia, em 1434. Após a sua morte, Alfonso V deixou o Reino de Nápoles ao seu filho ilegítimo Fernando, enquanto todos os outros títulos da coroa de Aragão, incluindo a Sicília, foram para o seu irmão João. Em 1458, João foi coroado Rei da Sicília no castelo de Caltagirone e tornou-se João II, Rei da Coroa de Aragão, I da Sicília.

Muitos sicilianos tentaram empurrar o filho de João II, Carlos de Viana, para o trono da Sicília, mas ele recusou, preferindo manter uma boa relação com o seu pai. João neutralizou quaisquer riscos ao declarar a anexação perpétua do reino ao domínio aragonês, e subsequentemente com uma política de concessões extensivas às classes privilegiadas. Em 1469, João conseguiu casar o seu filho, Fernando, o Católico, com Isabel, a Católica, herdeira do trono de Castela. Com a morte do seu pai a 20 de Janeiro de 1479, Fernando tornou-se rei como Fernando II da Sicília. Após uma tentativa fracassada de estender o Tribunal da Inquisição de Espanha à Sicília em 1481, Ferdinando II criou o Tribunal da Inquisição em Outubro de 1487, e o primeiro inquisidor adjunto, Frei Agostinho La Pena, cuja nomeação foi aprovada pelo Papa Inocêncio VIII, foi enviado à Sicília. Os inquisidores apostólicos da Inquisição da Santa Sé já operavam na ilha, embora de uma forma menos rigorosa do que os da Inquisição espanhola. Em 18 de Junho de 1492, um édito emitido por Fernando o Católico impôs incondicionalmente que os judeus deviam deixar a Sicília para sempre no prazo de três meses, sob pena de morte, exterminando uma identidade étnica, cultural, religiosa e linguística que tinha sido integrada na vida da ilha durante séculos. Ferdinando morreu a 25 de Janeiro de 1516, a Coroa de Aragão foi herdada pelo seu sobrinho Carlos V de Habsburgo, que assumiu o título de Rei de Espanha, e como Imperador do Sacro Império Romano, herdou também o reino da Sicília com o título de Carlos II da Sicília.

Reis da Dinastia Aragonesa da Sicília ou Trinacria (Casa de Barcelona)

Reis da Coroa de Aragão e Sicília (Trastámara)

A partir de 1415, a Sicília acolheu um primeiro vice-rei, embora fosse apenas formal, uma vez que o reino da ilha ainda era governado sob a tutela de Blanche de Evreux, que deixaria a ilha no ano seguinte. Este seria um período de grande decadência, marcado pela desgovernação dos vários vice-reis que se sucederam na cadeira, muitas revoltas populares, por vezes até sangrentas, como a de 1516 contra Ugo Moncada conhecida como a “Pedra do Concílio”.

Com a morte de Fernando o Católico em 1516, o seu sobrinho Carlos V de Habsburgo herdou o trono da Sicília e o de Aragão, concentrando toda a Espanha nas suas mãos, pôde reclamar o título de Rei de Espanha. Em 1530, designou a ilha de Malta como um feudo para os Knights Hospitallers, separando-a para sempre da história siciliana.

Em 1535, chegou à Sicília vindo da expedição de Tunes contra os corsários da Barbária. Assistiu à sessão do Parlamento Siciliano na qual resumiu o papel crucial da Sicília na guerra contra os otomanos. Ordenou a imposição de obras de fortificação nos grandes centros, e em 1548, Inácio de Loyola fundou o primeiro colégio jesuíta do mundo em Messina, para mais tarde ser transformado no Messanense Studium Generale, a Universidade de Messina. No reinado de Filipe II de Espanha, I da Sicília, o perigo de ataques influenciou todos os aspectos da administração, justificando impostos elevados e dispendiosas guarnições de terras e navios de guerra.

Foram estabelecidos senados cidadãos nas principais cidades da ilha, de Palermo a Messina.

Em 1583 houve uma nova subdivisão administrativa: depois dos Vales, o território foi dividido em 42 Comarche (mais tarde 44). Estabelecido pelo vice-rei Marcantonio Colonna. Entre as principais funções da Comarca estava a administração fiscal: a cidade estatal, capital de cada uma delas, era a sede do “secreto”, ou seja, o funcionário real que supervisionava a cobrança de impostos. Entre as funções deste gabinete estava também o recenseamento da população da comarca: com base no recenseamento, de facto, teve lugar a distribuição da carga fiscal sobre os habitantes do próprio distrito. Com a Constituição siciliana de 1812, a comarca foi então substituída por 23 distritos, reorganizados em sete províncias a partir de 1816.

Levantamentos populares

O período de Filipe IV de Espanha, III da Sicília, foi caracterizado por uma crise económica geral na Europa. A crise atingiu o seu auge, tanto que as revoltas do povo aumentaram em número e intensidade, em 1647 foi Palermo, em 1674 Messina e depois Catania.

O ápice da revolução foi alcançado com a revolta em Palermo. A revolta anti-insurreição espanhola, que começou em Maio de 1647, foi inicialmente liderada por Nino La Pelosa, mas logo foi preso, enquanto Giuseppe D’Alesi conseguiu escapar e chegar a Nápoles, onde testemunhou a revolta de Masaniello. Foi então no Agosto seguinte, ainda em Palermo, que D’Alesi retomou a revolta contra os espanhóis, organizando primeiro uma conspiração judicial que, no entanto, foi descoberta devido à presença de dois espiões. Foi então eleito capitão geral pelo povo, com este título reuniu os seus homens, atacou o arsenal real e com estas armas conquistou o palácio real, conseguindo no início expulsar o vice-rei, e reuniu artesãos e nobres para discutir um novo estatuto para um reino sob o controlo dos próprios sicilianos. Os nobres sicilianos, porém, não ficaram satisfeitos com este novo estatuto e organizaram novos tumultos sob a falsa acusação de que queria ceder a Sicília aos odiados franceses. D’Alessi foi decapitado e os seus colaboradores foram mortos.

A revolta anti-espanhola em Messina, com o apoio do rei francês Luís XIV, eclodiu em 1674. Entre as causas estavam a revogação de privilégios históricos de que a cidade gozava, tanto que lutou com Palermo pelo papel de capital do reino, e algumas fomes e pragas que pioraram as condições de vida do povo de Messina. A cidade tornou-se um protectorado francês. Em 1678, porém, com a assinatura da paz de Nijmegen entre França e Espanha, os franceses abandonaram a cidade de Messina, que sofreu uma cruel reconquista espanhola.

Desde os Bourbons de Espanha aos Habsburgs

Durante o período monárquico de Carlos III, a Sicília foi devastada pelo terramoto de Val di Noto de 1693, que arrasou com dezenas de cidades. A necessidade de reconstrução trouxe para a ilha vários designers, artistas e arquitectos, que contribuíram para o nascimento do barroco siciliano. Em 1700, com a morte de Carlos, Filipe V de Bourbon Espanha subiu ao trono. Com a Paz de Utrecht, que pôs fim à Guerra da Sucessão Espanhola, a Sicília foi atribuída ao Duque Victor Amadeus II de Sabóia.

Em 1711, o conflito liparitano deu origem a um conflito entre a monarquia siciliana e o papado que se prolongou por muitos anos. O período de vice-gestão em nome da Espanha terminou em 1713 devido à Guerra da Sucessão Espanhola.

Em 1713, o Tratado de Utreque reconheceu o Ducado da Sabóia anexo ao Reino da Sicília; com a extinção do ramo masculino da Sabóia, o reino regressaria à coroa de Madrid. A 24 de Dezembro, após uma cerimónia sumptuosa na Catedral de Palermo, o Duque Victor Amadeus II e a sua esposa Anne-Marie de Orleães receberam a coroa real. Com Victor Amadeus, portanto, a Casa de Sabóia obteve o título real. Após a Batalha de Francavilla em 1719, Victor Amadeus manteve a soberania sobre a Sicília até 1720, quando veio de Viena uma proposta para se juntar à agora assinada Aliança Quádrupla em troca do título de Rei da Sardenha. Com o Tratado de Haia em 1720, a Sicília regressou ao domínio dos Habsburgos, desta vez sob o domínio da Áustria.

O reino e a ilha do mesmo nome, como consequência dos acontecimentos da Guerra da Quadruplicada Aliança, foram dirigidos por viceroys em nome dos Habsburgs da Áustria de 1719 a 1734, quando foram cedidos, como parte dos tratados que se seguiram à Guerra da Sucessão Polaca, a Carlos III de Espanha.

Carlos III

Em Agosto de 1734, o Reino da Sicília, tal como o Reino de Nápoles antes dele, foi invadido pelas tropas espanholas de Carlos de Bourbon, fundador da dinastia Bourbon de Nápoles. As tropas do Infante de Espanha derrotaram os austríacos sem encontrar forte resistência (excepto em Messina, Siracusa e Trapani, que resistiram durante mais de seis meses), retirando a Sicília do domínio austríaco, e a 3 de Julho de 1735, Carlos foi coroado Rei da Sicília na Catedral de Palermo.

A constituição da nova monarquia Bourbon libertou formalmente a Sicília do estatuto de vice-reindependência, que voltou a ser um Estado independente, embora, de facto, em união pessoal com o Reino de Nápoles. A coroação teve lugar enquanto parte da Sicília ainda estava sob controlo austríaco, esta rapidez foi imposta pela necessidade de reconhecer as reivindicações aos reinos da Sicília e de Nápoles, pois foram considerados pela Santa Sé como sendo feudos da Igreja.

A coroação na Sicília levou a nobreza siciliana a acreditar que o rei queria estabelecer residência em Palermo em vez de Nápoles, contudo, após uma semana, Carlos partiu para o continente, estabelecendo a sua corte em Nápoles, e esta escolha causou um clima de desapontamento que reforçou a antiga divisão entre Nápoles e a Sicília. Em Palermo deixou o Duque de Montemar, comandante do corpo expedicionário espanhol, como Vice-Rei.

A política do novo governante caracterizou-se por reformas: estas foram orientadas para a modernização da administração e do tesouro e para o favorecimento do comércio. No entanto, em particular, o rei implementou intervenções destinadas a limitar o poder eclesiástico e baronial. O baronato, de facto, tinha adquirido funções e poderes pertencentes à coroa, que o rei pretendia reconquistar. As reformas na Sicília ganharam um certo consenso quando Carlos escolheu o Príncipe Bartolomeo Corsini como vice-rei da ilha, a sua política tinha um carácter “constitucional”, o que era muito invulgar na altura, permitindo-lhe agir como mediador entre as directivas governamentais e as objecções da classe dirigente da ilha. No entanto, a política reformista do rei foi fortemente contrariada pela nobreza e sofreu um pesado revés, tanto que o soberano teve de a abandonar e os últimos anos do seu reinado foram caracterizados, paradoxalmente, por uma filosofia de governo completamente oposta.

Fernão III

Em 1759, aquando da morte do seu irmão Fernando, Carlos tornou-se Rei de Espanha, enquanto o Reino da Sicília e o Reino de Nápoles foram atribuídos ao seu filho Ferdinando, seu terceiro filho, com apenas oito anos de idade. O conselho de regência ao qual foi confiado o jovem Ferdinando III da Sicília retomou o velho projecto reformista, que prosseguiu mesmo depois de o soberano ter atingido a maioridade. Como era o caso do seu pai, Ferdinando deveria fazer o juramento de respeitar as constituições e privilégios do Reino, mas isso não aconteceu, pois ele ainda era menor de idade. Quando atingiu a maioridade, o regente Bernardo Tanucci decidiu, por se opor ao poder baronial na ilha, que o rei não faria um juramento; esta era a causa do conflito entre a família no poder e a nobreza siciliana. De particular importância foi a requisição e subsequente venda do rico património fundiário da ordem religiosa reprimida da Companhia de Jesus. Cerca de 34.000 hectares foram leiloados e parte deles foi retirada do baronato e reservada aos pequenos agricultores: mais de três mil deles foram atribuídos porções de terra.

Esta política social destinada à redistribuição de terras aos camponeses pobres representou a primeira tentativa séria de reforma e colonização do latifúndio meridional, constituindo a operação de reforma agrária mais substancial realizada em Itália durante o século XVIII. O novo plano de reforma foi também fortemente oposto pelos barões. A resposta da coroa foi expulsar a nobreza siciliana do papel primário de governar o país, relegando-a para uma posição secundária. Foi estabelecida uma orientação anti-baronial, que mais tarde se tornou anti-Siciliana, levando ao apoio a uma política em que Nápoles tinha plena supremacia sobre Palermo. Tudo isto influenciaria mais tarde o papel do “partido siciliano” no destino do Reino das Duas Sicilias. Em 1774, o novo vice-rei da Sicília era o príncipe Marc’Antonio Colonna; ele, um napolitano por adopção, interrompeu o costume segundo o qual o vice-rei era escolhido de círculos não napolitanos. Os barões sicilianos e a rainha Maria Carolina tomaram partido contra o Marquês Tanucci, e para satisfação da nobreza siciliana, Tanucci abandonou o seu posto. Maria Carolina substituiu-o pelo Marquês Beccadelli, cuja política acabou por prejudicar o baronato siciliano. Em 1795, o patriota siciliano Francesco Paolo Di Blasi, apoiante das ideias republicanas e independentistas e defensor dos direitos humanos, foi detido, julgado e executado sob a acusação de conspirar para estabelecer uma república siciliana.

A nova Constituição e o fim do reinado

Com a conquista napoleónica (Guerras Napoleónicas) do Reino de Nápoles, Ferdinando III, que tinha mantido o controlo da Sicília, em parte graças ao apoio da Inglaterra, foi obrigado a abandonar a capital continental e a refugiar-se em Palermo em 1798. Regressou a Nápoles após os acordos com Napoleão em 1802, mas devido à invasão francesa do reino de Nápoles, regressou a Palermo em 1805, com tempo particularmente frígido. O papel desempenhado pelos britânicos no governo da ilha foi extremamente invasivo, mas pelo menos foi fundamental para a concessão da nova constituição siciliana desejada em 1812 pelo parlamento siciliano, que foi influenciado pela aspiração da liberdade e do constitucionalismo moderno, que separou definitivamente a Sicília de Nápoles, uma constituição inspirada no modelo inglês. A nova carta constitucional, não apreciada por Ferdinand, segundo Acton, acabou por se tornar um excelente instrumento de propaganda para os Bourbons, ao mesmo tempo que foi deplorada por muitos dos nobres que tinham votado nela, quando se aperceberam que ela lhes retirava o seu anterior poder.

Após a derrota de Napoleão, com o Congresso de Viena, as antigas fronteiras dos Estados europeus foram quase todas restauradas. Ferdinando recuperou o reino continental, mas perdeu a sua soberania sobre Malta, deixando Palermo em 1815. Em Dezembro de 1816, reuniu os dois reinos da Sicília Posterior e da Baixa Sicília num único Estado, o Reino das Duas Sicílias, restaurando aproximadamente as fronteiras do antigo reino de 1282. Sob o nome Ferdinand I, o governante Bourbon assumiu o título de Rei das Duas Sicílias. O abandono da união pessoal dos dois reinos e a fusão dos mesmos numa única entidade estatal, onde a partir de 1817 Nápoles assumiu o papel de capital único, resultou na supressão do Reino da Sicília, da Constituição e na perda, para Palermo, das sedes centrais do governo e no encerramento de facto do Parlamento siciliano, causando descontentamento na opinião pública siciliana. Nicolò Palmieri escreveu um ensaio polémico ao rei Fernando I, no qual declarou: “A partir de 1816, a Sicília teve a infelicidade de ser apagada da lista de nações e de perder todas as constituições. Exigimos a independência da Sicília e os votos não são apenas de Palermo, mas de toda a Sicília e a maioria do povo siciliano pronunciou o seu voto a favor da independência”. A supressão do reino levou a revoltas populares, com as primeiras revoltas em 1820.

Os reis da dinastia Bourbon de Nápoles

As revoltas de 1820

A supressão formal do Reino, que foi subjugado a Nápoles e cancelado pelos Bourbons, deu origem a um movimento de protesto em toda a ilha e, a 15 de Junho de 1820, os independentistas levantaram-se (cerca de 14.000 espingardas do arsenal de Palermo caíram nas mãos dos insurgentes) liderados por Giuseppe Alliata di Villafranca, que foi aclamado presidente do Conselho de Estado. Foi constituído um governo em Palermo (18-23 de Junho), presidido pelo Príncipe Paternò Castello, que restaurou a Constituição siciliana de 1812, com o apoio dos britânicos. A 7 de Novembro de 1820, o rei Fernando enviou um exército (cerca de 6.500 soldados acrescentados ao mesmo número guarnecido na parte oriental da Sicília que não estava em revolta) sob as ordens de Florestano Pepe (mais tarde substituído pelo general Pietro Colletta) que rapidamente reconquistou a Sicília em sangrentas batalhas e restabeleceu a monarquia absoluta, resubmetendo a ilha a Nápoles. Mais revoltas, desta vez na Sicília oriental, eclodiram em 1837.

A revolução de 1848

A 12 de Janeiro de 1848, um movimento revolucionário anti-Bourbon, liderado por Rosolino Pilo e Giuseppe La Masa, começou em Palermo e depois por toda a Sicília. A Sicília foi declarada independente, enquanto o exército de Bourbon, opondo-se à fraca resistência, retirou-se da ilha. A 23 de Janeiro, o Comité Geral reuniu-se, cujos dirigentes eram os patriotas sicilianos Vincenzo Fardella di Torrearsa, Francesco Paolo Perez e Ruggero Settimo (presidente), Mariano Stabile (secretário geral) e Francesco Crispi, a quem foi atribuída uma responsabilidade especial pela criação das barricadas. A 25 de Março, o Parlamento Siciliano, presidido por Vincenzo Fardella di Torrearsa, foi reaberto após cerca de 30 anos e foi instalado um governo constitucional. Um decreto aprovado pelo Parlamento a 13 de Abril declarou que a monarquia do Bourbon tinha caído.

A 10 de Julho de 1848, a nova constituição foi proclamada:

Dentro do parlamento, a orientação política estava em forte contraste. Havia monarquistas e republicanos que aspiravam a uma ilha independente, federalistas a uma Itália confederada em muitos estados, e unitaristas, mas todos ansiosos por libertar a Sicília dos Bourbons. A 27 de Maio, a Trinacria, colocada no centro da tricolor italiana, foi adoptada como símbolo da ilha pelo Parlamento Siciliano:

Michele Amari (Ministro das Finanças do governo) terá escrito em 1851 que Domenico Scinà “com um sorriso amargo” perguntou aos jovens do seu círculo se também eles tinham sido infectados pela histeria itálica.

O renascimento do Reino da Sicília

A 10 de Julho de 1848 Mariano Stabile declarou à Câmara Baixa que a França e a Inglaterra reconheceriam a independência da Sicília assim que o novo rei fosse eleito. A 13 de Julho o Reino da Sicília foi proclamado. O novo governo ofereceu a coroa do reino ao Duque de Génova, Alberto Amedeo de Sabóia, irmão mais novo do futuro rei de Itália, sob o nome de Alberto Amedeo I da Sicília, que, no entanto, se empenhou na primeira guerra de independência, recusou-a.

No final de Agosto, um corpo expedicionário do exército de Bourbon com 16.000 homens, comandado por Carlo Filangieri, iniciou o cerco de Messina. Durante os dois meses de combates em Messina, houve sete grandes fases distintas de bombardeamento pela artilharia Bourbon na cidade, bem como violentas batalhas de infantaria. Os bombardeamentos e incêndios provocaram protestos dos diplomatas estrangeiros presentes, nomeadamente os cônsules da Bélgica, Dinamarca, França, Inglaterra, Holanda, Rússia e Suíça.

Nos primeiros meses de 1849 de Messina, o exército de Bourbon iniciou a reconquista da ilha. A 7 de Abril, após amargos combates, Catânia foi retomada, e a 14 de Maio de 1849 Filangieri recuperou a posse de Palermo, enquanto os líderes sicilianos se exilavam. O último estado independente da Sicília durou assim 17 meses.

Fontes

  1. Regno di Sicilia
  2. Reino da Sicília
  3. ^ Massimo Costa, Storia istituzionale e politica della Sicilia. Un compendio. Amazon. 2019. ISBN 9781091175242
  4. ^ a b Denis Mack Smith, 2: La conquista normanna, in Storia della Sicilia medievale e moderna, traduzione di Lucia Biocca Marghieri, Lecce, Laterza Editori, 2013, pp. 26, 31, ISBN 978-88-420-2147-6.
  5. ^ a b Mallette 2011, p. 5.
  6. ^ Mallette 2011, p. 2,4,5.
  7. 1 2 Тринакрия — древнегреческое название острова Сицилия.
  8. Там же. — С. 73.
  9. ^ N. Zeldes (2003). The former Jews of this kingdom: Sicilian converts after the Expulsion, 1492-1516. BRILL. pp. 5, 69, 296–97. ISBN 90-04-12898-0.
  10. ^ „Chronological – Historical Table Of Sicily”. In Italy Magazine. 7 octombrie 2007. Arhivat din original la 27 iulie 2016. Accesat în 31 decembrie 2012.
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.