Pablo Neruda

Resumo

Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto (12 de Julho de 1904 – 23 de Setembro de 1973), mais conhecido pelo seu pseudónimo e, mais tarde, nome legal Pablo Neruda , foi um poeta-diplomata chileno e político que ganhou o Prémio Nobel da Literatura em 1971. Neruda ficou conhecido como poeta quando tinha 13 anos de idade, e escreveu numa variedade de estilos, incluindo poemas surrealistas, épicos históricos, manifestos abertamente políticos, uma autobiografia em prosa, e poemas de amor apaixonados como os da sua colecção Vinte Poemas de Amor e uma Canção do Desespero (1924.

Neruda ocupou muitas posições diplomáticas em vários países durante a sua vida e serviu um mandato como Senador pelo Partido Comunista Chileno. Quando o Presidente Gabriel González Videla proibiu o comunismo no Chile em 1948, foi emitido um mandado de captura para Neruda. Amigos esconderam-no durante meses no porão de uma casa na cidade portuária de Valparaíso, e em 1949 escapou através de uma passagem de montanha perto do lago Maihue para a Argentina; não regressaria ao Chile durante mais de três anos. Foi um conselheiro próximo do Presidente socialista do Chile Salvador Allende, e, quando regressou ao Chile depois de aceitar o seu Prémio Nobel em Estocolmo, Allende convidou-o a ler no Estádio Nacional perante 70.000 pessoas.

Neruda foi hospitalizado com cancro em Setembro de 1973, na altura do golpe de Estado liderado por Augusto Pinochet que derrubou o governo de Allende, mas regressou a casa após alguns dias quando suspeitou que um médico o tinha injectado com uma substância desconhecida com o objectivo de o assassinar por ordem de Pinochet. Neruda morreu na sua casa em Isla Negra a 23 de Setembro de 1973, poucas horas depois de ter deixado o hospital. Embora tenha sido noticiado durante muito tempo que Neruda morreu de insuficiência cardíaca, o Ministério do Interior do governo chileno emitiu uma declaração em 2015, reconhecendo um documento do Ministério que indicava a posição oficial do governo de que “era claramente possível e altamente provável” que Neruda fosse morto como resultado da “intervenção de terceiros”. No entanto, um teste forense internacional realizado em 2013 rejeitou as alegações de que Neruda tinha sido envenenado. Concluiu-se que ele sofria de cancro da próstata. Pinochet, apoiado por elementos das forças armadas, negou permissão para que o funeral de Neruda fosse tornado público, mas milhares de chilenos enlutados desobedeceram ao recolher obrigatório e encheram as ruas.

Neruda é frequentemente considerado o poeta nacional do Chile, e as suas obras têm sido populares e influentes em todo o mundo. O romancista colombiano Gabriel García Márquez chamou-lhe em tempos “o maior poeta do século XX em qualquer língua”, e o crítico Harold Bloom incluiu Neruda como um dos escritores centrais da tradição ocidental no seu livro O Cânone Ocidental.

Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto nasceu a 12 de Julho de 1904, em Parral, Chile, uma cidade da Província de Linares, hoje parte da região do grande Maule, cerca de 350 km a sul de Santiago. O seu pai, José del Carmen Reyes Morales, era funcionário ferroviário, e a sua mãe Rosa Neftalí Basoalto Opazo era uma professora escolar que morreu dois meses após o seu nascimento, a 14 de Setembro. A 26 de Setembro, foi baptizado na paróquia de São José de Parral. Neruda cresceu em Temuco com Rodolfo e uma meia-irmã, Laura Herminia “Laurita”, de um dos assuntos extraconjugais do seu pai (a sua mãe era Aurelia Tolrà, uma mulher catalã). Ele compôs os seus primeiros poemas no Inverno de 1914.

Carreira literária

O pai de Neruda opôs-se ao interesse do seu filho pela escrita e literatura, mas recebeu encorajamento de outros, incluindo a futura vencedora do Prémio Nobel Gabriela Mistral, que dirigia a escola local. A 18 de Julho de 1917, aos 13 anos de idade, publicou o seu primeiro trabalho, um ensaio intitulado “Entusiasmo e Perseverança” no jornal diário local La Mañana, e assinou-o Neftalí Reyes. De 1918 a meados de 1920, publicou numerosos poemas, tais como “Mis ojos” (“Os meus olhos”), e ensaios em revistas locais como Neftalí Reyes. Em 1919, participou no concurso literário Juegos Florales del Maule e ganhou o terceiro lugar pelo seu poema “Comunión ideal” ou “Nocturno ideal”. Em meados de 1920, quando adoptou o pseudónimo Pablo Neruda, era autor de poemas, prosa e jornalismo publicados. Pensa-se que tenha derivado o seu pseudónimo do poeta checo Jan Neruda, embora outras fontes digam que a verdadeira inspiração foi a violinista morávia Wilma Neruda, cujo nome aparece no romance A Study in Scarlet de Arthur Conan Doyle. A intenção do jovem poeta ao publicar sob um pseudónimo era evitar a desaprovação do seu pai relativamente aos seus poemas.

Em 1921, aos 16 anos, Neruda mudou-se para Santiago para estudar francês na Universidade do Chile com a intenção de se tornar um professor. No entanto, cedo dedicou todo o seu tempo a escrever poemas e, com a ajuda do conhecido escritor Eduardo Barrios, conseguiu conhecer e impressionar Don Carlos George Nascimento, o mais importante editor do Chile na altura. Em 1923, o seu primeiro volume de versos, Crepusculario (Livro dos Crepúsculos), foi publicado pela Editorial Nascimento, seguido no ano seguinte por Veinte poemas de amor y una canción desesperada, uma colecção de poemas de amor que foi controversa pelo seu erotismo, especialmente tendo em conta a idade jovem do seu autor. Ambas as obras foram aclamadas pela crítica e foram traduzidas em muitas línguas. Ao longo das décadas, os poemas Veinte venderam milhões de exemplares e tornaram-se a obra mais conhecida de Neruda, embora uma segunda edição só tenha surgido em 1932. Quase 100 anos mais tarde, a Veinte Poemas ainda mantém o seu lugar como o livro de poesia mais vendido em língua espanhola. Aos 20 anos de idade, Neruda tinha estabelecido uma reputação internacional como poeta mas enfrentou a pobreza.

Em 1926, publicou a colecção Tentativa del hombre infinito (A Tentativa do Homem Infinito) e o romance El habitante y su esperanza (O Habitante e a sua Esperança). Em 1927, por desespero financeiro, tomou um consulado honorário em Rangoon, a capital da colónia britânica da Birmânia, então administrado a partir de Nova Deli como província da Índia britânica. Rangum era um lugar de que nunca tinha ouvido falar antes. Mais tarde, atolado em isolamento e solidão, trabalhou em Colombo (Ceilão), Batavia (Java), e Singapura. Em Batavia, no ano seguinte, conheceu e casou (6 de Dezembro de 1930) com a sua primeira esposa, uma funcionária bancária holandesa chamada Marijke Antonieta Hagenaar Vogelzang (nascida como Marietje Antonia Hagenaar), Enquanto esteve no serviço diplomático, Neruda leu grandes quantidades de versos, experimentou muitas formas poéticas diferentes, e escreveu os dois primeiros volumes de Residencia en la Tierra, que inclui muitos poemas surrealistas.

Guerra Civil Espanhola

Depois de regressar ao Chile, Neruda recebeu postos diplomáticos em Buenos Aires e depois em Barcelona, Espanha. Mais tarde sucedeu a Gabriela Mistral como cônsul em Madrid, onde se tornou o centro de um animado círculo literário, fazendo amizade com escritores como Rafael Alberti, Federico García Lorca, e o poeta peruano César Vallejo. A sua única descendência, a sua filha Malva Marina (Trinidad) Reyes, nasceu em Madrid em 1934. Foi vítima de graves problemas de saúde, especialmente de hidrocefalia. Morreu em 1943 (nove anos de idade), tendo passado a maior parte da sua curta vida com uma família de acolhimento na Holanda depois de Neruda a ter ignorado e abandonado, forçando a sua mãe a aceitar os empregos que pudesse. Metade desse tempo foi durante a ocupação nazi da Holanda, quando a mentalidade nazi sobre defeitos de nascença denotou uma inferioridade genética, na melhor das hipóteses. Durante este período, Neruda afastou-se da sua mulher e, em vez disso, iniciou uma relação com Delia del Carril , uma artista argentina aristocrática que tinha 20 anos de idade.

À medida que a Espanha se envolveu numa guerra civil, Neruda tornou-se, pela primeira vez, intensamente politizada. As suas experiências durante a Guerra Civil Espanhola e o seu rescaldo afastaram-no de um trabalho centrado no privado, no sentido de uma obrigação colectiva. Neruda tornou-se um comunista ardente para o resto da sua vida. A política radical de esquerda dos seus amigos literários, bem como a de del Carril, foram factores que contribuíram, mas o catalisador mais importante foi a execução de García Lorca por forças leais ao ditador Francisco Franco. Por meio dos seus discursos e escritos, Neruda deu o seu apoio à República Espanhola, publicando a colecção España en el corazón (Espanha em Os Nossos Corações, 1938). Perdeu o seu posto de cônsul devido à sua militância política. Em Julho de 1937, participou no Segundo Congresso Internacional de Escritores, cujo objectivo era discutir a atitude dos intelectuais face à guerra em Espanha, realizado em Valência, Barcelona e Madrid e no qual participaram muitos escritores, incluindo André Malraux, Ernest Hemingway e Stephen Spender.

O casamento de Neruda com Vogelzang fracassou e Neruda acabou por obter o divórcio no México em 1943. A sua esposa afastada mudou-se para Monte Carlo para escapar às hostilidades em Espanha e depois para os Países Baixos com o seu único filho doente, e ele nunca mais viu nenhum deles. Após deixar a sua esposa, Neruda viveu com Delia del Carril em França, acabando por casar com ela (contudo, o seu novo casamento não foi reconhecido pelas autoridades chilenas, uma vez que o seu divórcio de Vogelzang foi considerado ilegal.

Após a eleição de Pedro Aguirre Cerda (que Neruda apoiou) como Presidente do Chile em 1938, Neruda foi nomeado Cônsul especial para os emigrantes espanhóis em Paris. Ali foi responsável por aquilo a que chamou “a missão mais nobre que já empreendi”: transportar 2.000 refugiados espanhóis que tinham sido alojados pelos franceses em campos esquálidos para o Chile, num velho navio chamado Winnipeg. Neruda é por vezes acusado de ter seleccionado apenas companheiros comunistas para a emigração, com exclusão de outros que tinham lutado do lado da República. Muitos republicanos e anarquistas foram mortos durante a invasão e ocupação alemã. Outros negam estas acusações, salientando que Neruda escolheu apenas algumas centenas dos 2.000 refugiados pessoalmente; os restantes foram seleccionados pelo Serviço para a Evacuação dos Refugiados Espanhóis criado por Juan Negrín, Presidente do Governo Republicano Espanhol no Exílio.

Consulta mexicana

O próximo posto diplomático de Neruda foi como Cônsul Geral na Cidade do México entre 1940 e 1943. Enquanto lá esteve, casou-se com del Carril, e soube que a sua filha Malva tinha morrido, com oito anos de idade, na Holanda ocupada pelos nazis.

Em 1940, após o fracasso de uma tentativa de assassinato contra Leon Trotsky, Neruda arranjou um visto chileno para o pintor mexicano David Alfaro Siqueiros, que foi acusado de ter sido um dos conspiradores no assassinato. Neruda disse mais tarde que o fez a pedido do Presidente mexicano, Manuel Ávila Camacho. Isto permitiu a Siqueiros, então preso, sair do México para o Chile, onde permaneceu na residência privada de Neruda. Em troca da assistência de Neruda, Siqueiros passou mais de um ano a pintar um mural numa escola em Chillán. A relação de Neruda com Siqueiros atraiu críticas, mas Neruda rejeitou a alegação de que a sua intenção tinha sido ajudar um assassino como “assédio político-literário sensacionalista”.

Regresso ao Chile

Em 1943, após o seu regresso ao Chile, Neruda fez uma viagem ao Peru, onde visitou Machu Picchu, uma experiência que mais tarde inspirou Alturas de Macchu Picchu, um poema em 12 partes, que completou em 1945 e que exprimia a sua crescente consciência e interesse pelas antigas civilizações das Américas. Explorou ainda mais este tema em Canto General (1950). Em Alturas, Neruda celebrou a realização de Machu Picchu, mas também condenou a escravatura que o tinha tornado possível. Em Canto XII, apelou aos mortos de muitos séculos para que nascessem de novo e falassem através dele. Martín Espada, poeta e professor de escrita criativa na Universidade de Massachusetts Amherst, saudou a obra como uma obra-prima, declarando que “não há poema político maior”.

Comunismo

Amparado pelas suas experiências na Guerra Civil espanhola, Neruda, tal como muitos intelectuais de esquerda da sua geração, veio a admirar a União Soviética de José Estaline, em parte pelo papel que desempenhou na derrota da Alemanha nazi e em parte devido a uma interpretação idealista da doutrina marxista. Isto ecoa em poemas tais como “Canto a Stalingrado” (1942) e “Nuevo canto de amor a Stalingrado” (1943). Em 1953, Neruda foi galardoada com o Prémio da Paz de Estaline. Após a morte de Estaline nesse mesmo ano, Neruda escreveu-lhe uma ode, pois também escreveu poemas em louvor a Fulgencio Batista, “Saludo a Batista” (“Salute a Batista”), e mais tarde a Fidel Castro. O seu fervoroso estalinismo acabou por conduzir a uma cunha entre Neruda e o seu amigo de longa data Octavio Paz, que comentou que “Neruda tornou-se cada vez mais estalinista, enquanto eu me tornava cada vez menos encantado com Estaline”. As suas diferenças chegaram à cabeça depois do Pacto Nazi-Soviético Ribbentrop-Molotov de 1939, quando quase se desentenderam numa discussão sobre Estaline. Embora Paz ainda considerasse Neruda “O maior poeta da sua geração”, num ensaio sobre Aleksandr Solzhenitsyn, escreveu que quando pensa em “Neruda e outros escritores e poetas estalinistas famosos, sinto a carne de ganso que recebo ao ler certas passagens do Inferno”. Sem dúvida que começaram de boa fé mas, insensivelmente, compromisso por compromisso, viram-se enredados numa rede de mentiras, falsidades, enganos e perjúrio, até perderem a alma”. A 15 de Julho de 1945, no Estádio do Pacaembu em São Paulo, Brasil, Neruda leu a 100.000 pessoas em homenagem ao líder revolucionário comunista Luís Carlos Prestes.

Neruda também chamou a Vladimir Lenine o “grande génio deste século”, e num discurso que proferiu a 5 de Junho de 1946, prestou homenagem ao falecido líder soviético Mikhail Kalinin, que para Neruda era “homem de vida nobre”, “o grande construtor do futuro”, e “um camarada de armas de Lenine e Estaline”.

Neruda veio mais tarde a lamentar o seu gosto pela União Soviética, explicando que “naqueles dias, Estaline pareceu-nos o conquistador que tinha esmagado os exércitos de Hitler”. De uma visita subsequente à China em 1957, Neruda escreveu: “O que me afastou do processo revolucionário chinês não foi Mao Tse-tung, mas sim Mao Tse-tungism”. Ele chamou a este Mao Tse-Stalinismo: “a repetição de um culto a uma divindade socialista”. Apesar da sua desilusão com Estaline, Neruda nunca perdeu a sua fé essencial na teoria comunista e permaneceu leal ao “Partido”. Ansioso por não dar munições aos seus inimigos ideológicos, ele recusar-se-ia mais tarde a condenar publicamente a repressão soviética de escritores dissidentes como Boris Pasternak e Joseph Brodsky, uma atitude com a qual até alguns dos seus mais ferrenhos admiradores discordavam.

A 4 de Março de 1945, Neruda foi eleito senador comunista para as províncias do norte de Antofagasta e Tarapacá, no deserto do Atacama. Quatro meses mais tarde, ele aderiu oficialmente ao Partido Comunista do Chile. Em 1946, o candidato presidencial do Partido Radical, Gabriel González Videla, pediu a Neruda que actuasse como seu director de campanha. González Videla foi apoiado por uma coligação de partidos de esquerda e Neruda fez uma fervorosa campanha em seu nome. Uma vez no poder, porém, González Videla virou-se contra o Partido Comunista e emitiu a Ley de Defensa Permanente de la Democracia (Lei de Defesa Permanente da Democracia). O ponto de ruptura para o Senador Neruda foi a repressão violenta de uma greve dos mineiros liderada pelos comunistas em Lota, em Outubro de 1947, quando trabalhadores grevistas foram levados para prisões militares insulares e para um campo de concentração na cidade de Pisagua. As críticas de Neruda a González Videla culminaram num discurso dramático no senado chileno a 6 de Janeiro de 1948, que ficou conhecido como “Yo acuso” (“Acuso”), no decurso do qual ele leu os nomes dos mineiros e das suas famílias que foram aprisionados no campo de concentração.

Em 1959, Neruda esteve presente enquanto Fidel Castro foi homenageado numa cerimónia de boas-vindas oferecida pela Universidade Central da Venezuela, onde falou a um grande encontro de estudantes e leu o seu Canto a Bolivar. Luis Báez resumiu o que Neruda disse: “Nesta dolorosa e vitoriosa hora que os povos da América vivem, o meu poema com mudanças de lugar, pode ser compreendido dirigido a Fidel Castro, porque nas lutas pela liberdade o destino de um Homem para dar confiança ao espírito de grandeza na história dos nossos povos”.

No final dos anos 60, o escritor argentino Jorge Luis Borges foi convidado a dar a sua opinião sobre Pablo Neruda. Borges declarou: “Penso nele como um poeta muito bom, um poeta muito bom”. Não o admiro como homem, vejo-o como um homem muito mau”. Ele disse que Neruda não tinha falado contra o Presidente argentino Juan Perón porque tinha medo de arriscar a sua reputação, observando “Eu era um poeta argentino, ele era um poeta chileno, ele está do lado dos comunistas; eu sou contra eles. Por isso, senti que ele estava a comportar-se muito sensatamente ao evitar uma reunião que teria sido bastante desconfortável para nós os dois”.

Algumas semanas após o seu discurso “Yo acuso” em 1948, encontrando-se ameaçado de prisão, Neruda escondeu-se e ele e a sua mulher foram contrabandeados de casa em casa escondidos por apoiantes e admiradores durante os 13 meses seguintes. Enquanto estava escondido, o Senador Neruda foi afastado do cargo e, em Setembro de 1948, o Partido Comunista foi totalmente banido sob a Ley de Defensa Permanente de la Democracia, chamada pelos críticos de Ley Maldita, que eliminou mais de 26.000 pessoas dos registos eleitorais, privando-as assim do seu direito de voto. Mais tarde, Neruda mudou-se para Valdivia, no sul do Chile. De Valdivia, mudou-se para o Fundo Huishue, uma propriedade florestal nas proximidades do Lago Huishue. A vida de Neruda no subsolo terminou em Março de 1949, quando fugiu a cavalo sobre o desfiladeiro de Lilpela, na Cordilheira dos Andes, para a Argentina. Ele relataria dramaticamente a sua fuga do Chile na sua palestra sobre o Prémio Nobel.

Uma vez fora do Chile, passou os três anos seguintes no exílio. Em Buenos Aires, Neruda aproveitou a ligeira semelhança entre ele e o seu amigo, o futuro romancista e adido cultural galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, Miguel Ángel Astúrias, para viajar para a Europa usando o passaporte asturiano. Pablo Picasso arranjou a sua entrada em Paris e Neruda fez lá uma aparição surpresa num Congresso Mundial das Forças de Paz atordoado, enquanto o governo chileno negou que o poeta pudesse ter escapado ao país. Neruda passou esses três anos a viajar extensivamente pela Europa, bem como a fazer viagens à Índia, China, Sri Lanka, e União Soviética. A sua viagem ao México em finais de 1949 foi prolongada devido a um grave surto de flebite. Uma cantora chilena chamada Matilde Urrutia foi contratada para cuidar dele e iniciaram um caso que, anos mais tarde, iria culminar em casamento. Durante o seu exílio, Urrutia viajava de país em país para o acompanhar e eles arranjavam encontros sempre que podiam. Matilde Urrutia era a musa de Los versos del capitán, um livro de poesia que Neruda publicou mais tarde, anonimamente, em 1952.

Enquanto esteve no México, Neruda também publicou o seu longo poema épico Canto General, um catálogo Whitmanesque da história, geografia e flora e fauna da América do Sul, acompanhado pelas observações e experiências de Neruda. Muitos deles trataram do seu tempo debaixo da terra no Chile, que é quando ele compôs grande parte do poema. De facto, ele tinha levado consigo o manuscrito durante a sua fuga a cavalo. Um mês mais tarde, uma edição diferente de 5.000 exemplares foi corajosamente publicada no Chile pelo Partido Comunista proscrito com base num manuscrito que Neruda tinha deixado para trás. No México, foi-lhe concedida a cidadania mexicana honorária. A estadia de Neruda em 1952 numa vila do historiador italiano Edwin Cerio na ilha de Capri foi ficcionada no romance Ardiente Paciencia (Ardent Patience, mais tarde conhecido como El cartero de Neruda, ou Carteiro de Neruda), de Antonio Skarmeta, de 1985, que inspirou o popular filme Il Postino (1994).

Em 1952, o governo González Videla estava nas suas últimas fases, enfraquecido por escândalos de corrupção. O Partido Socialista Chileno estava em vias de nomear Salvador Allende como seu candidato para as eleições presidenciais de Setembro de 1952 e estava interessado em contar com a presença de Neruda, actualmente a figura literária de esquerda mais proeminente do Chile, para apoiar a campanha. Neruda regressou ao Chile em Agosto desse ano e voltou a juntar-se a Delia del Carril, que tinha viajado à sua frente alguns meses antes, mas o casamento estava a desmoronar-se. Del Carril acabou por tomar conhecimento do seu caso com Matilde Urrutia e mandou-a de volta ao Chile em 1955. Ela convenceu os funcionários chilenos a levantar a sua prisão, permitindo que Urrutia e Neruda fossem para Capri, Itália. Agora unido a Urrutia, Neruda, para além de muitas viagens ao estrangeiro e de uma estadia como embaixador de Allende em França de 1970 a 1973, passaria o resto da sua vida no Chile.

Nessa altura, Neruda gozava de fama mundial como poeta, e os seus livros estavam a ser traduzidos para praticamente todas as principais línguas do mundo. Ele denunciou vigorosamente os Estados Unidos durante a Crise dos Mísseis Cubanos e, no final da década, condenou também repetidamente os Estados Unidos pelo seu envolvimento na Guerra do Vietname. Mas sendo um dos mais prestigiados e sinceros intelectuais de esquerda vivos, também atraiu a oposição de opositores ideológicos. O Congresso para a Liberdade Cultural, uma organização anticomunista secretamente estabelecida e financiada pela Agência Central de Inteligência dos EUA, adoptou Neruda como um dos seus principais alvos e lançou uma campanha para minar a sua reputação, reavivando a velha alegação de que ele tinha sido cúmplice no ataque a Leon Trotsky na Cidade do México em 1940. A campanha tornou-se mais intensa quando se soube que Neruda era um candidato ao Prémio Nobel de 1964, que acabou por ser atribuído a Jean-Paul Sartre (que o rejeitou).

Em 1966, Neruda foi convidada a participar numa conferência internacional PEN na cidade de Nova Iorque. Oficialmente, foi impedido de entrar nos EUA por ser comunista, mas o organizador da conferência, o dramaturgo Arthur Miller, acabou por prevalecer sobre a Administração Johnson para conceder um visto a Neruda. Neruda deu leituras a salas lotadas, e até gravou alguns poemas para a Biblioteca do Congresso. Mais tarde, Miller opinou que a adesão de Neruda aos seus ideais comunistas dos anos 30 era o resultado da sua prolongada exclusão da “sociedade burguesa”. Devido à presença de muitos escritores do Bloco de Leste, o escritor mexicano Carlos Fuentes escreveu mais tarde que a conferência PEN marcou um “início do fim” da Guerra Fria.

Após o regresso de Neruda ao Chile, ele parou no Peru, onde fez leituras para multidões entusiastas em Lima e Arequipa e foi recebido pelo Presidente Fernando Belaúnde Terry. No entanto, esta visita também provocou um recuo desagradável; porque o governo peruano tinha saído contra o governo de Fidel Castro em Cuba, Julho de 1966 viu mais de 100 intelectuais cubanos retaliarem contra o poeta, assinando uma carta que acusava Neruda de conivência com o inimigo, chamando-lhe um exemplo do “revisionismo tépido e pró-Yankee” então prevalecente na América Latina. O caso foi particularmente doloroso para Neruda devido ao seu anterior apoio declarado à revolução cubana, e ele nunca mais visitou a ilha, mesmo depois de ter recebido um convite em 1968.

Após a morte de Che Guevara na Bolívia em 1967, Neruda escreveu vários artigos lamentando a perda de um “grande herói”. Ao mesmo tempo, disse ao seu amigo Aida Figueroa para não chorar pelo Che, mas por Luis Emilio Recabarren, o pai do movimento comunista chileno que pregou uma revolução pacifista sobre os caminhos violentos do Che.

Em 1970, Neruda foi nomeado como candidato à presidência chilena, mas acabou por dar o seu apoio a Salvador Allende, que mais tarde ganhou as eleições e foi inaugurado em 1970 como o primeiro chefe de Estado socialista democraticamente eleito do Chile. Pouco tempo depois, Allende nomeou Neruda embaixador chileno em França, com duração entre 1970 e 1972; o seu último posto diplomático. Durante a sua permanência em Paris, Neruda ajudou a renegociar a dívida externa do Chile, biliões de euros devidos a bancos europeus e americanos, mas poucos meses após a sua chegada a Paris, a sua saúde começou a deteriorar-se. Neruda regressou ao Chile dois anos e meio mais tarde devido à sua saúde debilitada.

Em 1971, Neruda foi galardoado com o Prémio Nobel, uma decisão que não veio facilmente porque alguns dos membros do comité não tinham esquecido os elogios passados de Neruda à ditadura estalinista. Mas o seu tradutor sueco, Artur Lundkvist, fez o seu melhor para garantir que o chileno recebesse o prémio. “Um poeta”, declarou Neruda no seu discurso de Estocolmo de aceitação do Prémio Nobel, “é ao mesmo tempo uma força de solidariedade e de solidão”. No ano seguinte, Neruda foi galardoado com o prestigioso prémio Golden Wreath Award nas noites de Poesia Struga.

À medida que o golpe de estado de 1973 se desenrolou, Neruda foi diagnosticado com cancro da próstata. O golpe militar liderado pelo General Augusto Pinochet viu as esperanças de Neruda no Chile destruídas. Pouco depois, durante uma busca à casa e ao terreno em Isla Negra pelas forças armadas chilenas, na qual Neruda terá estado presente, o poeta comentou de forma famosa: “Olha à tua volta – aqui só há uma coisa de perigo para ti – a poesia”.

Foi noticiado originalmente que, na noite de 23 de Setembro de 1973, na Clínica Santa Maria de Santiago, Neruda tinha morrido de insuficiência cardíaca;

Contudo, “(t)hat day, ele estava sozinho no hospital onde já tinha passado cinco dias. A sua saúde estava em declínio e ele chamou a sua esposa, Matilde Urrutia, para que ela pudesse vir imediatamente porque lhe estavam a dar algo e ele não se estava a sentir bem”. A 12 de Maio de 2011, a revista mexicana Proceso publicou uma entrevista com o seu antigo motorista Manuel Araya Osorio na qual afirma que estava presente quando Neruda telefonou à sua esposa e avisou que acreditava que Pinochet tinha ordenado a um médico que o matasse, e que lhe tinha acabado de ser dada uma injecção no estômago. Ele morreria seis horas e meia mais tarde. Mesmo notícias do jornal pró-Pinochet El Mercurio no dia seguinte à morte de Neruda referem-se a uma injecção dada imediatamente antes da morte de Neruda. Segundo um relatório oficial do Ministério do Interior chileno, preparado em Março de 2015 para a investigação judicial sobre a morte de Neruda, “foi-lhe dada uma injecção ou algo por via oral” na Clínica Santa Maria “que causou a sua morte seis horas e meia mais tarde. O laureado com o Prémio Nobel de 1971 estava programado para voar para o México, onde poderia estar a planear liderar um governo no exílio que iria denunciar o General Augusto Pinochet, que liderou o golpe contra Allende a 11 de Setembro, segundo os seus amigos, investigadores e outros observadores políticos”. O funeral teve lugar no meio de uma presença maciça da polícia, e os enlutados aproveitaram a ocasião para protestar contra o novo regime, estabelecido apenas algumas semanas antes. A casa de Neruda foi assaltada e os seus papéis e livros foram levados ou destruídos.

Em 1974, as suas Memórias apareceram sob o título I Confesso que Vivi, actualizado para os últimos dias de vida do poeta, e incluindo um segmento final descrevendo a morte de Salvador Allende durante a tempestade do Palácio Moneda pelo General Pinochet e outros generais – ocorrida apenas 12 dias antes da morte de Neruda. Matilde Urrutia compilou e editou subsequentemente para publicação as memórias e possivelmente o seu poema final “Camarada Direito, É a Hora do Jardim”. Estas e outras actividades colocaram-na em conflito com o governo de Pinochet, que procurava continuamente reduzir a influência de Neruda na consciência colectiva chilena. As próprias memórias de Urrutia, My Life with Pablo Neruda, foram publicadas postumamente em 1986. Manuel Araya, o seu motorista designado pelo Partido Comunista, publicou um livro sobre os últimos dias de Neruda em 2012.

Rumores de homicídio e exumação

Em Junho de 2013, um juiz chileno ordenou o lançamento de uma investigação, na sequência de sugestões de que Neruda tinha sido morto pelo regime de Pinochet pela sua posição pró-Allende e pontos de vista políticos. O motorista de Neruda, Manuel Araya, declarou que os médicos tinham administrado veneno enquanto o poeta se preparava para o exílio. Em Dezembro de 2011, o Partido Comunista do Chile pediu ao juiz chileno Mario Carroza para ordenar a exumação dos restos mortais do poeta. Carroza tinha conduzido sondas em centenas de mortes alegadamente ligadas a abusos do regime de Pinochet, de 1973 a 1990. O inquérito de Carroza durante 2011-12 descobriu provas suficientes para ordenar a exumação em Abril de 2013. Comentou Eduardo Contreras, um advogado chileno que estava a liderar o impulso para uma investigação completa: “Temos laboratórios de classe mundial da Índia, Suíça, Alemanha, EUA, Suécia, todos eles se ofereceram para fazer o trabalho de laboratório gratuitamente”. A Fundação Pablo Neruda lutou contra a exumação sob o argumento de que as reivindicações do Araya eram inacreditáveis.

Em Junho de 2013, foi emitida uma ordem judicial para encontrar o homem que alegadamente envenenou Neruda. A polícia estava a investigar Michael Townley, que enfrentava julgamento pelo assassinato do General Carlos Prats (Buenos Aires, 1974), e do ex-Chanceler Orlando Letelier (Washington, 1976). O governo chileno sugeriu que o teste de 2015 mostrou que era “altamente provável que uma terceira parte” fosse responsável pela sua morte.

Os resultados dos testes foram divulgados a 8 de Novembro de 2013 da investigação de sete meses por uma equipa forense de 15 membros. Patricio Bustos, o chefe do serviço jurídico médico do Chile, declarou: “Não foram encontradas substâncias químicas relevantes que pudessem estar ligadas à morte do Sr. Neruda” na altura. No entanto, Carroza disse que estava à espera dos resultados dos últimos testes científicos realizados em Maio (2015), que descobriram que Neruda estava infectado com a bactéria Staphylococcus aureus, que pode ser altamente tóxica e resultar na morte se modificada.

Uma equipa de 16 peritos internacionais liderada pelo especialista forense espanhol Aurelio Luna da Universidade de Múrcia anunciou a 20 de Outubro de 2017 que “a partir da análise dos dados não podemos aceitar que o poeta tenha estado numa situação iminente de morte no momento em que entrou no hospital” e que a morte por cancro da próstata não era provável no momento em que morreu. A equipa também descobriu algo nos restos mortais de Neruda que poderia eventualmente ser uma bactéria cultivada em laboratório. Os resultados da sua análise contínua eram esperados em 2018. A sua causa de morte foi, de facto, listada como um ataque cardíaco. Os cientistas que exumaram o corpo de Neruda em 2013 também apoiaram as alegações de que ele também sofria de cancro da próstata quando morreu.

Protestos feministas

Em Novembro de 2018, o Comité Cultural da Câmara Baixa do Chile votou a favor de mudar o nome do aeroporto principal de Santiago para Neruda. A decisão suscitou protestos de grupos feministas, que destacaram uma passagem nas memórias de Neruda descrevendo uma agressão sexual de uma jovem empregada doméstica em 1929, quando estacionada no Ceilão (Sri Lanka). Vários grupos feministas, reforçados por um crescente movimento #MeToo e anti-femicídio afirmaram que Neruda não deveria ser honrado pelo seu país, descrevendo a passagem como prova de violação. Neruda permanece uma figura controversa para as chilenas, e especialmente para as feministas chilenas.

Neruda possuía três casas no Chile; hoje em dia, todas elas estão abertas ao público como museus: La Chascona em Santiago, La Sebastiana em Valparaíso, e Casa de Isla Negra em Isla Negra, onde ele e Matilde Urrutia estão enterrados.

Um busto de Neruda fica no terreno do edifício da Organização dos Estados Americanos em Washington, D.C.

Traduções

Neruda foi extensamente traduzido para as línguas eslavas, a maioria em russo.

Outras fontes

Fontes

  1. Pablo Neruda
  2. Pablo Neruda
  3. ^ Wyman, Eva Goldschmidt; Zurita, Magdalena Fuentes (2002). The Poets and the General: Chile”s Voices of Dissent under Augusto Pinochet 1973–1989 (1st ed.). Santiago de Chile: LOM Ediciones. p. 18. ISBN 978-956-282-491-0. In Spanish and English.
  4. ^ a b Shoichet, Catherine E. (13 November 2013). “Tests find no proof Pablo Neruda was poisoned; some still skeptical”. CNN. Retrieved 10 September 2020.
  5. ^ Chappell, Bill (8 November 2013). “Poet Pablo Neruda Was Not Poisoned, Officials in Chile Say”. NPR.
  6. ^ nato Ricardo Eliezer Reyes Basoalto
  7. ^ Plinio Apuleyo Mendoza, The fragrance of guava: Conversations with Gabriel García Márquez, Verso, 1983, p. 49
  8. La poetisa neerlandesa Hagar Peeters rescató la tragedia de la niña en su primera novela, Malva, publicada en los Países Bajos en 2015[14]​ y en España en 2018 por editorial Rey Naranjo con traducción de Isabel Clara Lorda Vidal.[12]​[15]​
  9. Juan Ramón Jiménez fue galardonado con el premio Nobel de Literatura en 1956.
  10. Erich Arendt (Herausgeber, Übersetzer): Pablo Neruda Dichtungen 1919–1965 (Werktitel: Poemas). Luchterhand, Neuwied / Berlin 1967, Vorwort von Erich Arendt S. 6.
  11. Eberhard Hungerbühler: Pioniere für den Frieden, 1983.Pablo Neruda: Vorwort. In: Enrico Guidoni: Inka. Grandi Monumenti, Civiltà andine (= Monumente großer Kulturen). Ebeling, Wiesbaden 1974.
  12. David Schidlowsky: Pablo Neruda y su tiempo. Las furias y las penas. Santiago de Chile 2008, Bd. 1, S. 39.
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.