Maria I da Inglaterra

Resumo

Mary I (inglesa Mary I ou Mary Tudor), também Mary Tudor, Mary the Catholic ou Mary the Bloody († 17 de Novembro de 1558 no Palácio de São Tiago), foi Rainha de Inglaterra e Irlanda de 1553 a 1558 e a quarta monarca da Casa de Tudor. Era filha do Rei Henrique VIII e da sua primeira esposa Catarina de Aragão. Quando o seu pai teve o casamento anulado pelo clero inglês e casou com Ana Bolena, Maria foi permanentemente separada da sua mãe, declarada bastarda real e excluída da sucessão. Devido à sua recusa em reconhecer Henrique como chefe da Igreja de Inglaterra e ela própria como uma filha ilegítima, Maria caiu em desgraça durante anos e só escapou à condenação como traidora pela sua eventual submissão. Henry readmitiu-a no trono em 1544, mas não a legitimou.

Após a morte prematura do seu meio-irmão mais novo Rei Eduardo VI, Maria prevaleceu sobre a sua sobrinha-neta protestante e rival Jane Grey e foi coroada a primeira Rainha de Inglaterra por direito próprio, a primeira vez na história inglesa que uma mulher exerceu os direitos irrestritos de uma soberana, para além da controversa regra da viúva do Imperador Matilda como Senhora de Inglaterra. O reinado de Maria foi marcado por grandes tensões confessionais enquanto Maria procurava restabelecer o catolicismo como a religião do estado. Cerca de trezentos protestantes foram executados durante o seu reinado. A posteridade, portanto, referida a ela pelos epítetos “o católico” ou “Bloody Mary”, dependendo do ponto de vista de cada um. A meia-irmã protestante e sucessora de Maria Elizabeth I inverteu as medidas de política religiosa de Maria.

Os primeiros anos

Mary Tudor nasceu a 18 de Fevereiro de 1516, a quinta filha do rei Henrique VIII e a sua primeira esposa Catarina de Aragão, no Palácio de Placentia, perto de Greenwich. Três dias após o seu nascimento foi baptizada na vizinha Igreja dos Frades Observantes, mantida por uma amiga próxima da futura Rainha Ana, Elizabeth Howard, esposa de Thomas Howard, 3º Duque de Norfolk. Os seus padrinhos incluíam a influente Cardeal Wolsey e os seus familiares Margaret Pole, 8ª Condessa de Salisbury e Katherine de York. O seu homónimo era a sua tia Mary Tudor.

Ao contrário das outras crianças de Catarina, Maria sobreviveu aos primeiros meses de vida. O embaixador veneziano Sebastian Giustiniani felicitou o rei “pelo nascimento da sua filha e pelo bem-estar da sua serena mãe, a rainha”, ainda que “teria sido ainda mais gratificante se a criança tivesse sido um filho”. Henry, contudo, não foi desencorajado. “Somos ambos jovens; se desta vez fosse uma filha, com a graça de Deus os filhos seguirão”. O rei não fez segredo do seu afecto pela sua filha e disse orgulhosamente a Giustiniani: “Por Deus, esta criança nunca chora”.

Nos primeiros dois anos da sua vida, Maria foi cuidada por governantas e enfermeiras molhadas, como era costume para as crianças reais. Ela estava sob a supervisão de uma antiga dama de companhia da Rainha, Lady Margaret Bryan, que mais tarde foi também responsável pela educação das meias-irmãs mais novas de Maria, Elizabeth e Edward. A partir de 1520, este papel coube a Margaret Pole. No entanto, apesar da sua tenra idade, Mary já era um actor importante no mercado matrimonial. Ela foi a única herdeira até agora, mas Henrique continuou a ter esperança num filho como herdeiro ao trono. Embora a Inglaterra não excluísse em princípio as mulheres da sucessão ao trono, o reinado de Matilda, o único regente até agora, tinha sido marcado pela agitação e pela guerra. Uma rainha coroada por direito próprio não existia anteriormente em Inglaterra e o pensamento levantou questões sobre se a nobreza a aceitaria, se ela deveria casar com um monarca estrangeiro e até que ponto um tal casamento tornaria a Inglaterra politicamente dependente. Face a estes problemas, Henrique mostrou-se relutante em nomear oficialmente Maria como herdeira do trono. Em vez disso, a sua filha deveria casar para consolidar as alianças políticas do seu pai. Assim, aos dois anos de idade, foi noiva do Delfim Francisco, o filho do rei francês Francisco I. Para o efeito, teve lugar um noivado por procuração, durante o qual a pequena princesa terá perguntado a Guillaume Bonnivet, o deputado do Delfim: “És tu o Delfim? Se assim for, gostaria de vos beijar”. Após três anos, porém, a ligação foi novamente interrompida.

Já em 1522, Henry forjou uma segunda aliança matrimonial com o Tratado de Windsor. O novo marido de Maria foi seu primeiro primo e o Santo Imperador Romano Carlos V. Catarina apoiou este noivado o melhor que pôde, mostrando as habilidades da sua filha ao enviado espanhol em Março de 1522. Este último escreveu a Carlos V cheio de admiração que Maria possuía a elegância, as capacidades e o auto-controlo de uma criança de vinte anos. A partir daí, Maria usava frequentemente um broche com a inscrição O Imperador ‘o Imperador’. No entanto, o casamento teve de esperar até que Maria tivesse doze anos, a idade mínima para casamentos na altura. Mary tinha apenas cinco anos de idade, Charles já tinha vinte e um. Este voto matrimonial também perdeu o seu significado alguns anos mais tarde, quando Carlos casou com a Princesa Isabel de Portugal.

Como princesa, Maria gozou de uma sólida educação sob a orientação da sua educadora Margaret Pole. Para além da sua língua materna o inglês, aprendeu latim, francês e italiano. A jovem Maria foi também ensinada música e introduzida nas ciências por académicos como o Erasmus de Roterdão. Uma grande parte da sua educação precoce deveu-se à sua mãe, que reviu regularmente os seus estudos e conseguiu trazer o humanista espanhol Juan Luis Vives para a corte inglesa. Sob o comando de Catarina, Vives escreveu as obras De institutione feminae christianae e De ratione studii puerilis, os primeiros escritos instrucionais para futuras rainhas. Por sugestão sua, Maria leu as obras de Cícero, Plutarco, Séneca e Platão, assim como o Institutio Principis Christiani de Erasmus e Utopia de Thomas More.

Em 1525, o Rei concedeu a Maria o privilégio da sua própria corte no Castelo de Ludlow, nas Marchas Galesas, que, como sede do Conselho do País de Gales e das Marchas, era o centro do poder no Principado do País de Gales, bem como servia frequentemente como sede do Príncipe de Gales, o herdeiro do trono. Foi assim tratada como uma herdeira do trono. No entanto, ela não foi nomeada Princesa de Gales, como era de facto habitual. O seu pai elevou simultaneamente o seu filho bastardo Henry Fitzroy ao Duque de Richmond e Somerset, inundou-o de escritórios reais e enviou-o para as fronteiras do norte do reino como um príncipe. O rei não tinha qualquer esperança de um legítimo herdeiro masculino ao trono. A Rainha ficou extremamente perturbada com a elevação de Fitzroy e protestou: “nenhum bastardo deve ser elevado sobre a filha de uma Rainha”. Foram levantadas vozes para que o Rei pudesse considerar fazer de Fitzroy herdeiro ao trono em vez de Maria. No entanto, o rei foi ambíguo e não tomou uma decisão sobre a sucessão.

Em 1526, por sugestão do Cardeal Wolsey, foi feita uma proposta aos franceses para casarem a princesa não com o Dauphin, mas com o seu pai, o Rei Francisco I de França. Tal união deveria resultar numa aliança entre os dois países. Como Francisco já tinha filhos do seu primeiro casamento, foi proposto, as sucessões de Inglaterra e França permaneceriam separadas e, se Henrique permanecesse sem mais descendentes, os filhos de Maria herdariam o trono inglês. Foi assinada uma nova promessa de casamento, que prevê o casamento de Maria com Francisco I ou o seu segundo filho Henrique, o Duque de Orleães. Durante quinze dias, os enviados franceses permaneceram em Inglaterra, a quem a princesa foi apresentada e que ficaram impressionados com ela. Contudo, salientaram que ela era “tão magra, delicada e pequena que seria impossível casar com ela nos próximos três anos”.

A partir de 1527, Henrique VIII procurou uma declaração eclesiástica de que o seu casamento com Catarina era nulo e sem efeito. O próprio rei alegou que o Bispo de Orleães lhe tinha perguntado se o seu casamento com Catarina era válido, uma vez que Catarina já tinha sido casada com o irmão de Henrique Arthur Tudor. Se o casamento fosse nulo, Maria também teria sido declarada ilegítima e não teria sido considerada um par adequado para um príncipe francês. Henry esperava casar com a dama de companhia de Catherine e ter filhos com ela. Catherine recusou-se firmemente a concordar com os planos de Henry.

Apesar das dificuldades conjugais, Henrique e Catarina ainda passaram tempo com a sua filha, inclusive no Verão de 1528, no Natal de 1530 e em Março de 1531. No entanto, tornou-se evidente desde cedo que Ana Bolena desconfiava de Maria. Quando o Rei visitou Maria em Julho de 1530, Ana Bolena enviou criados com ele para descobrir o que ele estava a discutir com a sua filha. O embaixador espanhol Eustace Chapuys também relatou a Carlos V que o rei estava a considerar casar Maria com os parentes de Ana, os Howards.

Embora o Papa Clemente VII tenha rejeitado estritamente a anulação do casamento, Henrique VIII separou-se de Catarina em Julho de 1531. Posteriormente deixou de reconhecer a primazia do Papa e, com o consentimento do Parlamento, declarou-se chefe da Igreja Católica em Inglaterra através do Acto de Supremacia.

Em Janeiro de 1533, o rei casou com a sua amante Ana Bolena, agora grávida. Uma vez que o seu filho não devia nascer ilegítimo, Henrique precisava de um decreto eclesiástico de nulidade para o seu primeiro casamento. O Arcebispo de Cantuária, Thomas Cranmer, declarou inválido o casamento entre Henrique VIII e Catarina de Aragão, após uma audiência a 23 de Maio. Esta declaração devia fazer de Maria um inimigo irreconciliável de Cranmer.

Após o seu primeiro casamento ter sido declarado nulo, Henry proibiu Maria e Katharina de terem qualquer contacto um com o outro. No entanto, os dois continuaram a escrever cartas um ao outro em segredo, levadas por criados leais ou por capuchinhos. Nestas cartas, Catarina implorou à sua filha que fosse obediente ao rei em tudo, desde que não pecasse contra Deus e a sua própria consciência ao fazê-lo. Maria soube pela primeira vez do segundo casamento de Henrique no final de Abril. Depois de Ana Bolena ter sido coroada a nova rainha de Inglaterra em Maio, Henrique VIII já não reconhecia Catarina como rainha e ordenou a Maria que entregasse as suas jóias. Chapuys também ouviu Anne Boleyn gabar-se publicamente de que faria de Maria a sua serva.

Quando Ana Bolena deu à luz uma menina, Elizabeth, em vez do rapaz esperado em Setembro, Henrique já não reconhecia Maria como filha legítima. Consequentemente, perdeu o seu estatuto de herdeira do trono e, como filha ilegítima do rei, apenas recebeu o título de Senhora. No entanto, Maria recusou-se a conceder à sua meia-irmã o título que era seu por direito. Tal como a sua mãe e a Igreja Católica Romana, ela considerou o casamento entre Catarina e Henrique como tendo sido validamente contraído e, portanto, ela própria como sendo a filha legítima de Henrique. “Se eu concordasse com o contrário, ofendi Deus”, declarou ela, chamando-se “em todas as outras coisas a sua filha obediente”.

Enquanto Catarina e Maria se lhe opuseram, Henrique não viu qualquer forma de convencer a nobreza conservadora e as casas reais da Europa da legitimidade do seu casamento com Ana Bolena. Por esta razão, tomou agora medidas mais duras contra a sua filha. Dissolveu a sua casa e enviou-a para Hatfield para a casa da sua meia-irmã recém-nascida, a quem ela iria servir de acompanhante. Mary agora reportava directamente a Lady Shelton, uma tia de Ana Bolena, e foi separada dos seus velhos amigos. Henry pode ter temido que os seus amigos encorajassem Maria e fez tudo o que pôde para isolar a sua filha. Maria, assim como a população, atribuiu este tratamento à influência da impopular Rainha Ana. Ana Bolena instruiu demonstravelmente Lady Shelton para tratar severamente Maria e dar-lhe uma bofetada se se atrevesse a chamar a si mesma princesa. Também, segundo Chapuys, Maria ocupava o pior quarto de toda a casa.

O mau tratamento da antiga princesa pelo rei e rainha conquistou a simpatia de Maria entre o povo comum, que continuou a vê-la como a legítima herdeira do trono. Assim, aplaudiam Mary sempre que a viam, e em Yorkshire uma jovem chamada Mary fingia ser a princesa, alegando que lhe tinha sido predito pela sua tia Mary Tudor que ela teria de ir mendigar em algum momento da sua vida. Membros da nobreza conservadora também permaneceram amigos de Maria, como Nicholas Carew, Sir Francis Bryan e o primo do Rei Henry Courtenay, 1ª Marquesa de Exeter. No entanto, nem mesmo eles conseguiram impedir que o Parlamento aprovasse o Primeiro Acto de Sucessão a 23 de Março de 1534, que reconhecia apenas os descendentes de Ana Bolena como herdeiros legítimos do trono e proibia todas as tentativas de restituir Maria à sucessão sob pena de morte. Aqueles que se recusaram a fazer o juramento deste acto foram executados como traidores, tais como o Bispo John Fisher e o antigo Lorde Chanceler Thomas More.

Maria recusou-se firmemente a fazer o juramento do acto e foi recalcitrante sempre que lhe foi pedido que desse lugar à sua meia-irmã. Como resultado, o seu medo de um atentado à sua vida por veneno cresceu. Durante este tempo Chapuys tornou-se o seu melhor amigo e confidente, e ela pediu-lhe várias vezes para persuadir Carlos V a vir em seu auxílio. Em 1535 havia portanto vários planos para contrabandeá-la para fora de Inglaterra, mas não chegaram a nada.

Embora Henrique estivesse determinado a quebrar a rebeldia da sua filha, de vez em quando tornou-se evidente que ainda sentia afeição por Maria. Quando o embaixador francês elogiou as suas capacidades, as lágrimas vieram aos olhos do rei. Ele enviou-lhe o seu médico pessoal William Butts quando ela adoeceu, e também permitiu que o médico e boticário de Catarina examinasse a sua filha. Em Janeiro de 1536, Catherine morreu finalmente sem voltar a ver a sua filha. Como o seu exame post-mortem revelou uma descoloração negra do seu coração, muitos, incluindo Maria, acreditavam que Catarina tinha sido envenenada.

Ana Bolena, que até agora não tinha conseguido assegurar o seu estatuto ao dar à luz um herdeiro masculino ao trono, considerava Maria como uma ameaça real. Cada vez mais desesperada, ela disse de Maria: “Ela é a minha morte e eu sou a dela”. Após a morte de Catarina, Maria sentiu-se mais insegura do que nunca, uma vez que, segundo a lei da época, se um casamento com Ana fosse inválido, Henrique poderia ter tido de retomar a vida conjugal com Catarina. Várias vezes Anne ofereceu a Maria para mediar entre ela e o seu pai se Maria só a reconhecesse como rainha. No entanto, Maria recusou-se a aceitar qualquer outra pessoa para além da sua mãe como rainha. Quando Anne percebeu que estava grávida de novo, sentiu-se novamente segura. Assim que o seu filho nascesse, disse a rainha, ela saberia o que aconteceria a Maria. No entanto, ela sofreu um aborto no mesmo dia em que Catherine foi enterrada.

Quando Ana Bolena também perdeu o favor do rei em 1536 e foi executada por alegado adultério, Maria esperava uma melhoria na sua situação. Jane Seymour, a nova esposa na vida de Henry, tinha-lhe assegurado de antemão que faria o seu melhor para a ajudar. Encorajada por isto, Maria escreveu ao rei felicitando-o pelo seu novo casamento; no entanto, Henrique não respondeu. Enquanto Maria não o reconhecer como chefe da Igreja de Inglaterra e ela própria como ilegítima, ele recusou-se a tratá-la como sua filha. A meia-irmã de Maria, Isabel, agora peidou-se da mesma maneira que alguns anos antes: perdeu o seu lugar na linha de sucessão e foi despromovida para Lady. Isto deixou claro que a difícil situação de Maria tinha sido provocada principalmente pelo seu pai e não apenas pela Rainha Ana.

Para recuperar o favor de Henrique VIII, Maria estava disposta a fazer concessões. Ela jurou servir o rei fielmente, “directamente atrás de Deus”, mas recusou-se a fazer-lhe um juramento como chefe da Igreja de Inglaterra. Ela via a fé protestante como iconoclastia e a expropriação da Igreja, cujos bens foram para os bolsos da nobreza oportunista. Uma troca de cartas desenvolveu-se entre ela e o ministro Thomas Cromwell, na qual Maria, por um lado, lhe pediu para mediar o conflito com o seu pai e, por outro, insistiu que ela não podia fazer mais concessões. Cartas secretas da sua mãe incentivavam-na a não tomar decisões baseadas em necessidades políticas, mas a considerar Deus e a sua consciência como a mais alta autoridade. Em conflito com o seu pai, ela argumentou repetidamente que “a minha consciência não me permite concordar”. Henry, contudo, não estava disposto a aceitar uma rendição condicional e aumentou a pressão sobre os amigos de Mary no tribunal. Entre outros, Francis Bryan foi interrogado sobre se tinha planeado restaurar Maria à sucessão, e Henry Courtenay perdeu a sua posição como Cavalheiro da Câmara Privada. Foi também levado ao conhecimento de Maria que, se ela continuasse a resistir, seria presa e julgada como uma traidora.

Cromwell, zangado com Mary e sob pressão de Henry, disse a Mary que se ela não cedesse, perderia o seu apoio para sempre. Ele chamou-lhe, com raiva, “a mulher de cabeça dura e pescoço duro que alguma vez foi”. Os amigos de Chapuy e Maria imploraram-lhe que se submetesse ao rei. Finalmente, Maria cedeu. A 22 de Junho de 1536, assinou um documento elaborado por Cromwell, Lady Mary’s Submission, aceitando a invalidade do casamento dos seus pais e o seu estatuto de filha ilegítima, e reconhecendo o rei como chefe da igreja. Ao fazê-lo, ela tinha salvo a sua vida e a dos seus amigos, mas ao mesmo tempo tudo aquilo por que ela e a sua mãe tinham lutado foi desfeito. Secretamente, ela instruiu Chapuys para lhe conseguir uma absolvição papal. Chapuys escreveu ansiosamente a Carlos V: “Este assunto da princesa causou-lhe uma angústia maior do que pensa”. Os historiadores assumem que esta crise levou Maria a defender a sua consciência e fé sem compromissos nos anos posteriores.

Três semanas mais tarde, Mary viu o seu pai pela primeira vez em cinco anos e aproveitou esta oportunidade para conhecer a sua nova madrasta, Jane Seymour, pela primeira vez. Jane tinha intercedido várias vezes junto do rei em nome de Maria e uma relação amigável desenvolveu-se entre os dois. Agora que Maria tinha cedido, Henrique recebeu-a de volta ao tribunal, voltou a dar-lhe uma casa própria, e falava-se mesmo de um novo noivado para ela. Mas embora Maria fosse novamente tratada como filha do rei, ela manteve o estatuto ilegítimo que a excluía de qualquer sucessão ao abrigo da lei do dia. Finalmente, no Outono de 1537, nasceu o tão esperado herdeiro ao trono, Eduardo, e Maria tornou-se a sua madrinha. Apenas pouco tempo depois, a sua mãe Jane Seymour morreu. Maria recebeu a honra de montar em frente à procissão fúnebre num cavalo preto. Nos meses que se seguiram, ela cuidou do pequeno Edward, que, segundo um relato da cortesão Jane Dormer, “fez-lhe muitas perguntas, prometeu-lhe segredo, e mostrou-lhe tanto respeito e veneração como se ela fosse sua mãe”.

A morte de Jane Seymour não foi a única perda de Mary. Em 1538, a família Pole ficou sob suspeita de conspirar contra Henry na chamada Conspiração Exeter, incluindo Margaret Pole, a antiga governanta de Mary. Os velhos amigos de Mary Henry Courtenay, Henry Pole e Nicholas Carew foram executados como traidores, Margaret Pole encarcerada na Torre de Londres e também decapitada em 1541. Cromwell avisou Maria para não levar estranhos para a sua casa durante este tempo, pois ela ainda era um foco de resistência às políticas religiosas do rei.

Ela também experimentou outros casamentos do seu pai durante estes anos. Henrique divorciou-se da sua quarta esposa, Ana de Cléves, pouco tempo depois, em 1540. A quinta, Catherine Howard, uma prima de Ana Bolena, era alguns anos mais nova do que Maria. Inicialmente houve tensão entre as duas sobre o alegado desrespeito de Maria pela nova rainha, culminando em Catarina quase despedir duas das senhoras de Maria. No entanto, Maria conseguiu reconciliar Catherine. Ela obteve a permissão do rei para ficar permanentemente na corte. Em 1541 acompanhou Henry e Catherine na sua viagem para o norte. Catherine acabou no andaime em 1542, como Ana Bolena antes dela.

Catherine Parr, a sexta e última esposa de Henry, melhorou ainda mais a posição de Maria na corte e aproximou pai e filha. Maria parece ter passado o resto do reinado de Henrique no tribunal, na companhia de Catherine Parr. Ela e Catherine Parr tinham muitos interesses em comum. Traduziu Erasmus de Roterdão com a sua madrasta e leu livros humanistas com ela. Era também uma cavaleira dotada e gostava de caçar. Era conhecida pelo seu gosto pela moda, joalharia e jogos de cartas, onde por vezes apostava grandes somas. A sua paixão pela dança causou uma reprimenda do seu irmão mais novo Edward, que escreveu a Catherine Parr que Maria já não devia participar em danças estrangeiras e diversões gerais, pois não era próprio de uma princesa cristã. Ela também era apaixonada por música.

Em 1544, Henrique finalmente estabeleceu a sucessão para o trono no terceiro Acto de Sucessão e mandou ratificá-lo pelo Parlamento. Tanto Mary como Elizabeth foram reintegradas na linha de sucessão, Mary em segundo, Elizabeth em terceiro depois de Edward. Mas embora os dois tivessem assim novamente o seu lugar na sucessão, Henrique ainda não legitimava as suas filhas, uma contradição gritante naqueles dias. De acordo com a lei da época, os bastardos não podiam herdar o trono, o que levaria a várias tentativas de excluir completamente tanto Maria como Isabel da sucessão.

Após a morte do Rei Henrique VIII a 28 de Janeiro de 1547, o seu filho ainda menor Eduardo herdou o trono. Os países católicos no estrangeiro esperaram inicialmente para ver se Eduardo seria de todo reconhecido como rei. Uma vez que ele tinha nascido após a excomunhão de Henrique, os países católicos consideraram-no ilegítimo e Maria como a herdeira legítima. Carlos V não considerou impossível a Mary fazer valer a sua pretensão. No entanto, ela aceitou Eduardo como rei. Nos primeiros anos da sua infância, Eduardo e as suas meias-irmãs tinham sido muito próximos, e a sua proximidade reflecte-se na carta de condolências que Eduardo escreveu à sua irmã mais velha: “Não devemos lamentar a morte do nosso pai, uma vez que é a Sua vontade que tudo funciona para o bem. Na medida do possível para mim, serei o melhor irmão para vós e transbordarei de bondade”.

Três meses após a morte do seu pai, Maria deixou a casa de Catherine Parr, com quem tinha vivido até então. No seu testamento, Henry tinha legado a Maria 32 mansões bem como terras em Anglia e arredores de Londres, juntamente com um rendimento anual de 3000 libras. No caso do seu casamento ela iria receber um dote de £10,000. Aos 31 anos, Maria era agora uma mulher rica e independente, e rodeava-se de servos e amigos católicos. Isto logo a colocou no centro das atenções do novo regime. O rei, com apenas nove anos de idade, governou nominalmente mas estava sob a influência do seu tio e tutor Edward Seymour, 1º Duque de Somerset, que seguiu um rigoroso curso protestante. Assim, a casa de Maria tornou-se um ponto de encontro para os católicos. No entanto, Edward Seymour comportou-se muito amavelmente para com ela. Ele próprio tinha servido Carlos V durante algum tempo, e a sua esposa Anne Seymour era uma amiga de Maria.

Em Janeiro de 1549, a Santa Missa em rito romano foi abolida, os dias de festa de muitos santos foram cancelados e foram promulgados novos regulamentos de vestuário para o clero. Quando o governo aprovou leis protestantes, Mary protestou que as leis religiosas de Henrique não deviam ser abolidas até Edward atingir a maioridade. Seymour contra-argumentou que Henry tinha morrido antes de poder completar a sua reforma. Na Primavera, pediu ajuda a Carlos V, que exigiu que Seymour não impedisse Maria de praticar a sua religião. Embora Seymour tenha declarado que não violaria abertamente nenhuma lei, permitiu que Maria seguisse a sua fé na sua casa. No entanto, houve muitas vozes críticas que exigiram a submissão de Maria. Quando eclodiram revoltas contra as novas leis religiosas, Maria ficou sob suspeita de simpatizar com os rebeldes e apoiá-los. Seymour, não querendo enfurecer Carlos V, procurou conciliar. “Se ela não se conformar, deixem-na fazer o que quiser, silenciosamente e sem escândalo”. Edward, no entanto, discordou e escreveu a Maria:

A 14 de Outubro de 1549, Edward Seymour foi derrubado pela nobreza. Como novo guardião, John Dudley, 1º Duque de Northumberland, ganhou influência decisiva sobre o rei. Claramente mais radical nas suas opiniões do que Seymour, Dudley rapidamente se tornou impopular com Maria. Ela considerava-o “o homem mais instável da Inglaterra”, razão pela qual “desejava sair deste reino”. Mais uma vez Carlos V exigiu uma garantia do Conselho da Coroa de que a sua prima não seria impedida na prática da sua religião. Mary estava convencida de que a sua vida estava em perigo e implorou a Carlos V que a ajudasse a fugir de Inglaterra. Em Junho de 1550, Carlos V enviou três navios para levar Maria para o continente, para a corte da sua irmã na Holanda. Mas agora Maria estava a hesitar. O seu auditor Rochester questionou todo o plano, afirmando que os ingleses tinham apertado a sua guarda nas costas. Mary entrou em pânico e interrompeu as deliberações entre ele e os enviados de Carlos várias vezes com os seus gritos desesperados de “O que devemos fazer? O que vai ser de mim”? No decurso das agitadas deliberações, ela finalmente decidiu contra a fuga, o que teria significado a perda do seu direito ao trono para arrancar.

No Natal de 1550, Maria chegou finalmente à corte, onde Edward a censurou por ainda ir à missa. Maria argumentou que ele não tinha idade suficiente para saber o suficiente sobre a fé. A discussão terminou com ambos a rebentarem em lágrimas. Em Janeiro de 1551, Eduardo exigiu novamente que ela reconhecesse as novas leis religiosas. Mary, que continuou a invocar a promessa de Seymour, ficou profundamente angustiada por o seu irmão a considerar como um infrator da lei e um instigador de desobediência. Em Março, ela e ele tiveram outra altercação que resultou na prisão dos amigos e criados de Maria por assistirem à Missa. Como resultado, Carlos V ameaçou com a guerra. As tensões diplomáticas surgiram entre Inglaterra e Espanha. O Conselho da Coroa procurou resolver o conflito ordenando aos servos de Maria que convertessem a princesa e proibindo-a de assistir à Missa na sua casa. No entanto, Maria declarou que preferia morrer pela sua fé do que ser convertida.

Quando eclodiu a guerra entre França e Espanha, a pressão sobre Maria diminuiu. Muitos temiam que Carlos V invadisse a Inglaterra e que o Conselho da Coroa procurasse reconciliar-se com Maria. Em Março de 1552 os seus criados foram libertados da Torre e dois meses mais tarde visitou o seu irmão no tribunal. No Inverno, Edward adoeceu. Mary visitou-o pela última vez em Fevereiro de 1553, mas não fazia ideia de que ele já estava em estado terminal, possivelmente devido à tuberculose. Dudley, bem ciente de que Maria era a legítima herdeira do trono no caso da morte de Eduardo, recebeu-a com todas as honras, mas manteve a condição do seu irmão em segredo. De facto, Mary acreditava que Edward estava em recuperação, mas em Junho tornou-se evidente que ele iria morrer em breve.

Domínio

Tendo em conta os constantes conflitos de fé com Maria, Eduardo temia com razão que a sua irmã quisesse reverter todas as reformas após a sua morte e trazer de novo a Inglaterra sob o domínio do Papa. Por esta razão, Edward rompeu com o acordo de sucessão do seu pai Henry para excluir Maria do trono. O seu raciocínio era que ela nunca mais tinha sido reconhecida como a filha legítima de Henry. Além disso, havia a possibilidade de ela poder casar com um estrangeiro que posteriormente tomaria o poder em Inglaterra. Uma vez que isto também se aplicava à sua irmã Elizabeth, ela também foi excluída da sucessão. Em vez disso, Edward legou a coroa a Lady Jane Grey, uma neta protestante da sua falecida tia Mary Tudor, que tinha casado pouco antes com o filho de John Dudley, Guildford. A medida em que John Dudley é responsável pela mudança na sucessão para o trono é contestada entre os estudiosos. Enquanto tradicionalmente se assume que Dudley convenceu Edward a mudar a vontade a favor de Jane Grey por ambição, Eric Ives é da opinião de que Dudley apenas apontou fraquezas no plano de sucessão de Edward e que Edward independentemente escolheu Jane como sua herdeira.

A 2 de Julho, num serviço religioso, Maria e Isabel foram pela primeira vez excluídas das orações pela família real. Um dia depois, Mary, que estava a caminho de Londres, recebeu um aviso de que a morte de Edward estava iminente e que havia planos para a prender. Na noite de 4 de Julho, Mary deslocou-se apressadamente a Kenninghall em Norfolk, onde pôde reunir apoiantes e, em caso de dúvida, fugir para a Flandres. John Dudley, subestimando a sua vontade de lutar pelo trono, despachou o seu filho Robert Dudley para capturar Maria. Os historiadores sugerem que Dudley ou não se importava muito com os planos de uma mulher ou esperava que Maria fugisse do país com a ajuda de Carlos V e assim desistisse do seu trono. Robert Dudley, contudo, não conseguiu alcançar Mary e teve de se contentar em impedir os seus apoiantes de se juntarem a ela em Kenninghall. Até o embaixador espanhol pensou ser improvável que Maria pudesse fazer valer a sua pretensão.

A 9 de Julho, Mary escreveu ao Conselho da Coroa de Jane, proclamando-se Rainha de Inglaterra. Para o Conselho da Coroa, a carta constituía uma declaração de guerra. Um exército foi assim criado para marchar para East Anglia sob a liderança de John Dudley e capturar Maria como um rebelde contra a Coroa. Foram também impressos panfletos em Londres declarando Mary como bastarda e avisando que, se ela tomasse o poder, traria “papistas e espanhóis” para o país. Mas para a maioria da população, Maria era a legítima herdeira do trono, não obstante as preocupações religiosas. Apoiada pelos seus amigos e criados, Mary mobilizou a aristocracia rural, que lhe forneceu os seus guarda-costas armados, conhecidos como retentores. Entre os seus mais altos aliados estavam Henry Radclyffe, 4º Conde de Sussex, e John Bourchier, 2º Conde de Bath. A 12 de Julho mudou-se com o seu crescente grupo de seguidores para o Castelo de Framlingham, em Suffolk, uma fortaleza que poderia ser bem defendida em caso de dúvida. Os seus apoiantes proclamaram a sua rainha em várias cidades inglesas. A aprovação entusiasta da população também conquistou cidades que se tinham declarado anteriormente a favor de Jane. Gradualmente, a maré virou-se a favor de Maria. As tripulações dos navios amotinaram-se contra os seus superiores e desertaram para Maria.

A 15 de Julho, o exército de Dudley aproximou-se de Framlingham. Os comandantes de Maria prepararam as suas tropas e a própria Princesa mobilizou os seus apoiantes com um discurso inflamado segundo o qual João Dudley “traiçoeiramente, por traição continuada, planeou e ainda planeia a destruição da sua pessoa real, a nobreza e o bem-estar geral deste reino”. O regime entrou em colapso a 18 de Julho. O Conselho de Estado em Londres derrubou Dudley na sua ausência e ofereceu grandes recompensas pela sua captura. Os vereadores queriam estar ao lado de Maria com o tempo, cujo apoio popular estava a aumentar constantemente. A 19 de Julho, o apoio a Dudley diminuiu completamente à medida que vários nobres deixaram a Torre, e com ela Jane Grey, e reuniram-se no Castelo de Baynard para preparar a sucessão de Maria. Entre eles estavam George Talbot, 6º Conde de Shrewsbury, John Russell, 1º Conde de Bedford, William Herbert, 1º Conde de Pembroke e Henry FitzAlan, 19º Conde de Arundel. Finalmente, na noite de 20 de Julho, os seus arautos em Londres proclamaram Mary Queen of England and Ireland. John Dudley em Cambridge demitiu-se então e proclamou igualmente Mary Queen. Um pouco mais tarde, foi preso por Arundel. A 25 de Julho foi trazido para Londres com os seus filhos Ambrose e Henrique e encarcerado na Torre.

A 3 de Agosto, Mary entrou triunfantemente em Londres com a sua irmã Elizabeth, que tinha apoiado a sua reivindicação ao trono, e cerimoniosamente tomou posse da Torre. Como era costume na inauguração de um novo monarca, perdoou numerosos prisioneiros presos na Torre, incluindo os católicos de alta patente Thomas Howard, 3º Duque de Norfolk, Edward Courtenay, 1º Conde de Devon e Stephen Gardiner. Nomeou este último como seu Lord Chancellor. Jane Grey e o seu marido Guildford Dudley, por outro lado, que tinham estado na Torre desde a proclamação de Jane, foram colocados sob prisão. Inicialmente o pai de Jane, Henry Grey, 1º Duque de Suffolk era também prisioneiro da Coroa, mas foi libertado depois da mãe de Jane, Frances Brandon, prima de Mary, ter feito uma petição à Rainha em nome da sua família. Tendo sido persuadida por Frances e mais tarde por Jane de que Jane só tinha aceite a coroa sob pressão de Dudley, Mary perdoou inicialmente o seu jovem parente e o seu pai. Ao contrário de Henry Grey, Jane e Guildford permaneceram, no entanto, presos. John Dudley, por outro lado, foi acusado de alta traição e executado a 22 de Agosto.

Maria reinou de jure a partir de 6 de Julho, mas de facto apenas desde 19 de Julho, devido ao regulamento de sucessão de 1544. A 27 de Setembro, ela e Elizabeth entraram na Torre, como era costume pouco antes da coroação de um novo monarca. A 30 de Setembro, entraram no Palácio de Westminster numa grande procissão, à qual assistiu também a sua madrasta Ana de Cléves. De acordo com testemunhas oculares, a coroa de Maria era muito pesada, razão pela qual ela tinha de apoiar a cabeça com as mãos. Ela também parecia distintamente rígida e contida, enquanto a sua irmã Elizabeth gostava de tomar banho na multidão. A 1 de Outubro de 1553, Maria foi coroada Rainha na Abadia de Westminster. Como esta foi a primeira coroação de uma rainha de direito próprio em Inglaterra, a cerimónia diferiu da coroação de uma consorte de um rei. Assim, como era costume na coroação dos monarcas masculinos, ela foi cerimoniosamente apresentada com a espada e as esporas, bem como os ceptros tanto do rei como da rainha.

Apesar da unidade demonstrada por Maria e Isabel, houve fortes tensões entre as irmãs, principalmente por causa das suas diferentes confissões. A fim de assegurar uma dinastia católica, Mary procurou um marido católico. O seu conselho da coroa também a implorou que se casasse, não só para assegurar a sucessão, mas também porque ainda se supunha que uma mulher não poderia governar sozinha. Ao mesmo tempo, porém, havia uma preocupação justificada de que Maria, como mulher casada, seria obediente ao seu marido. Por esta razão, a questão de com quem ela se casaria era de grande importância para os ingleses, uma vez que casar com um estrangeiro teria significado influência estrangeira na política inglesa. Muitos nobres, entre eles Stephen Gardiner, esperavam por isso um casamento entre Maria e o seu parente distante Edward Courtenay, que era de ascendência real e de nascimento inglês.

Maria, contudo, não tinha interesse em casar com Courtenay, em parte porque não queria casar com nenhum dos seus súbditos. Como tantas vezes na sua vida, atribuiu grande valor aos conselhos do embaixador espanhol, neste caso Simon Renard. A razão para isto provavelmente encontra-se na sua juventude, quando o único a quem ela sempre se podia dirigir era Carlos V. Ela já não podia confiar na nobreza inglesa depois de todas as suas experiências; por isso estava mais inclinada a seguir os conselhos dos embaixadores espanhóis. Renard, sabendo bem como seria valiosa uma aliança com a Inglaterra, propôs-lhe, com o consentimento de Carlos V, o príncipe herdeiro espanhol Filipe a 10 de Outubro. Por um lado, isto asseguraria a passagem para os Países Baixos, e por outro, tal casamento contrabalançaria o casamento de Mary Stuart com o Dauphin de França. A reacção de Maria foi alegre, mas ao mesmo tempo apreensiva, pois ela era onze anos mais velha do que Filipe. Ela também deixou claro a Renard que Philip não ganharia demasiada influência política, uma vez que a nobreza inglesa não toleraria interferência estrangeira.

De facto, o noivo encontrou uma grande desaprovação por parte dos ingleses. Até o próprio Lord Chancellor Gardiner de Mary e a Câmara dos Comuns temiam que a Inglaterra estivesse sob forte influência espanhola. Tanto ele como os fiéis escriturários de Mary, que tinham feito campanha com ela contra Jane Grey, imploraram-lhe que, em vez disso, casasse com Courtenay. Embora Maria se tenha mantido firme com eles, ficou, no entanto, agitada e indecisa durante muito tempo. Finalmente, a 29 de Outubro, ela tomou a sua decisão. Ela mandou chamar Renard e aceitou a sua proposta de casamento com Filipe com o fundamento de que “Deus a tinha inspirado a tornar-se a esposa do Príncipe Filipe”. Renard escreveu a Charles V e relatou:

Em Novembro, a nobreza tentou mais uma vez, sem sucesso, dissuadir Maria de casar com Filipe. Daí que alguns nobres conspiraram contra a rainha. Por um lado, o objectivo era evitar o casamento impopular, por outro, a nobreza protestante estava preocupada com as mudanças confessionais que Maria estava a reintroduzir. Os conspiradores incluíam Sir Thomas Wyatt, Edward Courtenay, o pai de Jane Grey Henry Grey e um grande amigo da família Grey, Nicholas Throckmorton. Wyatt, na Conspiração Wyatt com o seu nome, reuniu uma força em Kent no início de 1554 para combater a Rainha, a quem ele próprio tinha ajudado ao trono. O exército real só derrotou as forças de Wyatt às portas de Londres e a rebelião foi completamente esmagada. Henry Grey, que tinha participado na revolta, foi de novo preso. Juntamente com a sua filha Jane e o genro Guildford, que ainda estavam presos na Torre, ele foi considerado culpado de alta traição e decapitado. Como a revolta tinha tido lugar em nome de Isabel, Maria suspeitava agora que a sua irmã tinha apoiado a revolta contra ela e a tinha encarcerado na Torre. Depois de Wyatt ter exonerado Elizabeth no cadafalso, Mary comutou a sentença para prisão domiciliária após dois meses.

A Rainha finalmente casou com Filipe na Catedral de Winchester a 25 de Julho de 1554. Na noite anterior, Carlos V tinha proclamado o seu filho Rei de Nápoles. De acordo com o contrato de casamento, Filipe recebeu o título de Rei de Inglaterra, mas o seu verdadeiro poder estava mais limitado às funções de um príncipe consorte. Foi autorizado a ajudar Maria na administração, mas não a fazer quaisquer alterações às leis de Inglaterra. Se os filhos resultassem do casamento, uma filha governaria a Inglaterra e os Países Baixos, um filho herdaria a Inglaterra bem como os territórios de Philip no sul da Alemanha e Borgonha. Tanto a rainha como qualquer criança deveriam deixar o país apenas com o consentimento da nobreza. Além disso, uma cláusula do contrato matrimonial assegurou a Inglaterra contra o envolvimento nas guerras dos Habsburgos ou contra a necessidade de fazer pagamentos ao Império. Além disso, nenhum espanhol deveria aderir ao Conselho da Coroa.

O tratado foi um dos mais vantajosos que a Inglaterra alguma vez teve, mas o próprio Philip ficou indignado com o seu papel reduzido. Em privado, declarou que não se via vinculado por um acordo que tinha surgido sem o seu consentimento. Ele só assinaria, disse Philip, para que o casamento pudesse ter lugar, “mas de forma alguma para se vincular a si próprio e aos seus herdeiros para respeitar os parágrafos, especialmente os que sobrecarregariam a sua consciência”. Apesar das suas reservas, Filipe mostrou-se um marido obediente e bondoso para com Maria e a Rainha apaixonou-se violentamente por ele. Ela escreveu a Charles V:

Os confidentes próximos de Philip, por outro lado, pintam um quadro diferente do casamento. O seu amigo Ruy Gomez, por exemplo, descreveu a rainha de forma pouco lisonjeira como uma “boa alma, mais velha do que nos foi dito” e escreveu sobre ela a um amigo:

Apenas dois meses após o casamento, Renard soube que a Rainha estava grávida. Segundo ela, sofria de enjoos matinais, a sua barriga inchou e sentiu os movimentos do seu filho. No entanto, surgiram dúvidas porque ela já tinha 39 anos de idade e estava frequentemente doente. O nascimento era esperado em Abril de 1555, por volta da Páscoa. No entanto, quando o mês de Julho passou sem que Maria desse à luz, quanto mais sem sentir quaisquer contracções, tornou-se óbvio que ela sofria ou de uma doença ou de uma falsa gravidez. Em Agosto, a Rainha também aceitou finalmente a verdade. Além disso, Philip era urgentemente necessário nos Países Baixos. Apenas a perspectiva do nascimento de um herdeiro o tinha mantido em Inglaterra. A 19 de Agosto de 1555, Philip deixou temporariamente a Inglaterra, para grande desgosto da sua esposa. Maria não voltaria a vê-lo até Março de 1557.

Maria sempre rejeitou a decisão do seu pai de separar a Igreja Inglesa da Igreja Católica Romana. Como rainha, ela dedicou-se, portanto, sobretudo à política religiosa. No início do seu reinado, porém, Maria estava interessada na compreensão e tolerância, ao contrário da sua reputação. Na sua primeira proclamação, ela proclamou:

No entanto, Maria já estava a dar os primeiros passos no sentido da reconciliação com Roma. Em Agosto de 1553, escreveu ao Papa Júlio III para obter um levantamento da proibição eclesiástica que estava em Inglaterra desde Henrique VIII e assegurou ao Papa que revogaria “muitas leis perversas, criadas pelos meus antecessores” por Acto do Parlamento. O Papa nomeou então o Cardeal Reginald Pole como legado papal em Inglaterra. Pole era um parente distante de Maria, o filho da sua governanta Margaret Pole, que estava em Roma na altura da sua adesão. Maria não queria fazer mudanças religiosas sem um decreto parlamentar e, por isso, tolerou inicialmente os protestantes. Uma excepção, porém, foi a sua irmã Elizabeth, que queria converter Maria ao catolicismo por razões políticas. Enquanto Maria fosse solteira e sem filhos, Elizabeth era a herdeira do trono, e Maria queria assegurar uma sucessão católica. Uma vez que Elizabeth só assistiu à Missa sob pressão, Mary considerou seriamente, durante algum tempo, nomear a sua prima católica Margaret Douglas como sua sucessora.

Na sua primeira sessão parlamentar, Maria não só teve o casamento dos seus pais declarado válido, como também as leis religiosas de Edward foram revogadas. Isto significou que as leis eclesiásticas dos últimos anos do reinado de Henrique VIII voltaram a ser aplicadas. Mas embora o Parlamento não tivesse problemas em reintroduzir ritos e costumes, opôs-se veementemente ao reconhecimento da soberania do Papa e ao regresso das terras eclesiásticas. Muitos dos parlamentares tinham lucrado com estas terras e viram a restauração da autoridade papal como uma ameaça à sua própria prosperidade. Assim, Maria devolveu inicialmente as terras monásticas apreendidas por Henrique VIII, que ainda estavam na posse da Coroa, aos Franciscanos e Dominicanos. Foi também forçada a permanecer por enquanto à frente da Igreja inglesa, contra a sua vontade, devido à oposição do Parlamento.

Uma das grandes dificuldades que Maria teve de enfrentar foi o facto de haver poucos clérigos que cumpriam os seus padrões. Sob Edward não tinha havido uma formação sistemática do clero e muitos dos clérigos protestantes eram casados. Foi apoiada nas suas aspirações pelo Lorde Chanceler Stephen Gardiner, pelo Bispo de Londres Edmund Bonner e, inicialmente por cartas, de 1554 em pessoa, por Reginald Pole, a quem nomeou Arcebispo de Canterbury à sua chegada. Em 30 de Novembro de 1554, o Pólo concedeu oficialmente a absolvição à Inglaterra como enviado papal e deu as boas-vindas ao país de volta ao rebanho da Igreja. Com a ajuda do Conselho de Trento, o Polaco esperava reformar a educação clerical e dar à Inglaterra um sacerdócio católico bem treinado. No entanto, estas reformas levaram tempo.

Tanto Pólo como Maria estavam convencidos de que a população tinha sido meramente seduzida para o Protestantismo por alguns. Em 1555, portanto, as leis heresias do século XIV foram reintroduzidas. Os primeiros protestantes foram condenados por heresia e queimados. Alguns dos bispos protestantes que não tinham fugido para o estrangeiro encontraram o seu fim na fogueira, nomeadamente o padre casado John Rogers, o bispo de Gloucester John Hooper, Hugh Latimer e Nicholas Ridley. Em 1556 foram seguidos pelo Arcebispo Thomas Cranmer, a quem Maria nunca tinha perdoado a anulação do casamento dos seus pais. Ele foi a única vítima conhecida das queimaduras em cuja morte Maria insistiu explicitamente, apesar da sua recitação e reconhecimento da autoridade papal. Em todas as outras queimadas, Mary insistiu que as execuções fossem efectuadas sem vingança e de acordo com a lei. Também insistiu que um membro do seu conselho estivesse presente como testemunha em cada queimada e que os cultos religiosos fossem realizados durante as execuções.

No entanto, rapidamente se tornou evidente que a queima dos seus líderes não seria suficiente para erradicar o Protestantismo. A reintrodução do catolicismo teve mais dificuldade em ganhar uma posição nas comunidades simples do que a Rainha tinha acreditado. Também houve falta de dinheiro para reequipar as igrejas paroquiais individuais de acordo com os padrões católicos. Muitas paróquias não puderam comprar altares de pedra, vestes sacerdotais e vasos preciosos, e recusaram-se a cooperar com os enviados de Maria.

As perseguições estenderam-se à população comum. Bonner, em particular, rapidamente fez nome entre os protestantes como caçador de heresia, uma vez que desde o início quis saber os nomes daqueles que estavam desatentos durante a missa, não participaram em procissões ou quebraram os mandamentos alimentares da Quaresma. Enquanto os bispos assumiam o interrogatório dos acusados, as detenções e, por fim, as queimadas eram efectuadas pelas autoridades seculares locais, que cumpriam a sua tarefa com diferentes graus de cuidado. Assim, das cerca de 290 vítimas, 113 foram queimadas só em Londres. Noutros casos, as autoridades seculares estavam muito pouco dispostas e só podiam ser persuadidas a realizar queimadas sob pressão do Conselho da Coroa. No total, quase 300 pessoas encontraram as suas mortes em jogo. No entanto, a dissuasão pretendida pelas queimadas públicas não produziu efeito. Em vez disso, a população sentiu cada vez mais simpatia pelos mártires protestantes, cuja perseguição continuou durante mais de três anos. Dentro e fora de Inglaterra, o número de opositores de Maria cresceu, especialmente através dos escritos e material impresso de exilados protestantes. Isto era também evidente no grau da sua ligação em rede, que não se limitava de forma alguma ao reino da ilha, mas também se estendia ao continente.

Na Inglaterra do século XVI, as perseguições denominacionais não eram invulgares. Sob Edward VI, bem como Elizabeth I, os católicos foram perseguidos e executados, enquanto sob Henrique VIII foram tanto protestantes como católicos fiéis ao Papa. Em geral, as perseguições confessionais não foram mais pronunciadas em Inglaterra do que no continente. No entanto, eram muito mais frequentes em Inglaterra nos anos 1550 do que em outros países. Além disso, os condenados não foram os extremistas e fanáticos que acabaram por estar em jogo no continente, mas sim os crentes comuns. Além disso, as queimadas assumiram uma dimensão política. Devido ao casamento impopular de Maria com Filipe, as mudanças indesejáveis foram muitas vezes imputadas aos espanhóis. Assim, os protestantes que se recusaram a retractar-se rapidamente tornaram-se um símbolo de resistência dos ingleses patriotas contra a odiada Espanha. No entanto, os espanhóis não podem ser considerados inteiramente responsáveis pela política religiosa, pois o confessor de Filipe, Alfonso de Castro, atacou as queimadas com a permissão de Filipe num serviço eclesiástico. “Eles não aprenderam com as Escrituras a queimar ninguém por causa da consciência, mas pelo contrário, que esses devem viver e ser convertidos”.

Os historiadores discordam sobre quem foi realmente responsável pelas queimadas. John Foxe considerava Bonner um dos piores caçadores hereges, no entanto Bonner estava mais interessado em persuadir os suspeitos a recantarem-se do que em queimá-los. Pole invocou as queimaduras para provar ao novo Papa Paulo IV que ele próprio não era um herege, mas foi descrito pela Foxe como “não sendo um dos papistas sangrentos e cruéis”. O polaco apercebeu-se muito rapidamente de quão impopulares eram as execuções. No entanto, Prescott critica-o por não fazer qualquer tentativa de influenciar a Rainha, que sempre deu grande valor aos seus conselhos. Gardiner, que estava muito interessado em restaurar a antiga ordem, votou a favor da reintrodução das leis de heresia, mas retirou-se da caça à heresia após a queima dos protestantes mais importantes.

Em algumas ocasiões, as autoridades seculares foram claramente mais vigorosas na caça aos hereges do que o clero. Prescott salienta que nos primeiros seis meses das perseguições de heresia, os bispos foram repreendidos pela Coroa por alegada preguiça, enquanto vários magistrados e xerifes seculares fizeram nome como zelosos caçadores de heresia. O Conselho da Coroa foi também pelo menos tolerante com as execuções, tendo os conselheiros encorajado Bonner a continuar as perseguições. Peter Marshall aponta para a possibilidade de as queimadas terem desenvolvido um impulso próprio após a execução dos proeminentes protestantes, principalmente porque não havia uma direcção clara.

Até que ponto Maria esteve pessoalmente envolvida nas queimadas já não pode ser determinada com certeza. De acordo com as suas próprias palavras, ela era a favor de queimar os cabecilhas, mas preferiu converter suavemente o povo comum. Marshall sugere que ela abominou profundamente a heresia e guardou um rancor pessoal contra Cranmer por causa das humilhações da sua juventude. Também o embaixador veneziano Soranzo relatou a firmeza com que Maria se recusou a renunciar à sua fé sob o seu irmão. “A sua fé, na qual nasceu, é tão forte que a teria mostrado na fogueira se tivesse surgido a oportunidade”. É, portanto, bem possível que Maria tenha sido pessoalmente empurrada para as queimaduras. Uma ordem real a Bonner datada de 24 de Maio de 1555 disse-lhe para lidar com os hereges mais rapidamente e não perder tempo. No entanto, Prescott argumenta que nesta altura Maria já se tinha retirado de todos os assuntos de Estado para o nascimento do seu filho. Isto levanta a possibilidade de, pelo menos durante este período, todas as ordens reais terem sido aprovadas por Filipe e pelo Conselho da Coroa. O que é certo é que a Rainha poderia ter terminado as perseguições em qualquer altura. Na propaganda protestante, ela foi por isso apelidada de Bloody Mary.

Mary tinha herdado muitas dívidas do seu pai e do seu irmão, e as finanças do governo estavam quase fora de controlo. A razão para isto era o sistema económico ainda medieval, que já não se adaptava ao estado real moderno. John Baker, Marquês de Winchester e Sir Walter Mildmay tentaram reorganizar a tesouraria, mas as suas reformas demorariam muito tempo. O orçamento real também foi minuciosamente examinado para encontrar formas de poupar dinheiro. O relatório mostrou que a Rainha pagou aos seus criados e subordinados muito mais generosamente do que o seu pai alguma vez teve, e que as maiores quantias foram gastas no guarda-roupa real.

O declínio no valor do dinheiro, que já tinha começado nos últimos anos do reinado de Henrique VIII, alimentou ainda mais a crise. A inflação não foi decisivamente combatida pelo financeiro de Henry Thomas Gresham e agravou-se sob Edward VI. Mary tentou contrariar a queda dramática do valor do dinheiro. Foram tomadas medidas drásticas contra os falsificadores e o Conselho da Coroa discutiu uma reforma monetária. Devido às guerras nos últimos dois anos de reinado de Maria, não se realizou nenhuma reforma, mas Isabel deveria aproveitar a experiência dos conselheiros financeiros de Maria na sua própria reforma monetária em 1560-61.

No entanto, Maria conseguiu alcançar pequenos êxitos. Ela reformou radicalmente o sistema aduaneiro e fiscal monopolista, o que levou a mais receitas para a coroa e à publicação do novo Livro de Taxas. Deveria permanecer em vigor inalterado até 1604. A cobrança dos direitos aduaneiros foi centralizada a fim de pagar o dinheiro directamente à Coroa e evitar que os funcionários aduaneiros se enriquecessem a si próprios. Mary também promoveu especificamente o comércio inglês ao tributar mais pesadamente os bens importados do que os bens produzidos em Inglaterra. No entanto, isto colocou-a em conflito com a Liga Hanseática Alemã, que não queria desistir da sua posição privilegiada. No entanto, uma vez que a Liga Hanseática tinha emprestado dinheiro à coroa inglesa várias vezes, Maria estava preparada para fazer concessões. Durante dois anos, a Liga Hanseática pagou as mesmas taxas que outros comerciantes, e em troca foi autorizada a comprar tecidos em Inglaterra, o que não tinha sido possível fazer antes. Contudo, como a medida era muito impopular com os comerciantes ingleses, foi invertida após dois anos.

Como havia uma forte concorrência nos mercados europeus, Mary tentou abrir novos mercados no estrangeiro. Apesar do seu casamento com Philip, a Inglaterra não tinha tido acesso aos tesouros do Novo Mundo, por isso a atenção de Mary voltou-se para o Oriente. Já em Junho de 1553, nos últimos dias sob Edward VI, uma expedição partira em busca de uma passagem de nordeste para o Oriente. Enquanto o comandante, Sir Hugh Willoughby, morria, o seu segundo em comando, Richard Chancellor, conseguiu chegar à cidade russa de Arkhangelsk através do Mar Branco. De lá, viajou pela Rússia e foi recebido em Moscovo por Ivan, o Terrível. Ivan estava interessado num acordo comercial com a Inglaterra, e a 5 de Abril de 1555 Mary e Philip assinaram uma carta de agradecimento a Ivan, confirmando as suas intenções de negociar com ele.

No mesmo ano, foi fundada a Companhia Moscovita, à qual foi dado o monopólio do comércio entre a Inglaterra e Moscovo e que iria durar como organização comercial até à Revolução Russa em 1917. Da Rússia, a Inglaterra recebeu materiais para a construção naval, enquanto que a Inglaterra exportou especiarias, lã e bens metálicos. Por volta da mesma altura, foi encomendado o Atlas Queen Mary, uma colecção de mapas magníficos e precisos que incluía a Europa, África e Ásia, bem como a América do Sul e a costa nordeste da América do Norte. Dos cerca de 14-15 mapas, nove ainda se encontram preservados hoje em dia.

Além disso, Maria impulsionou reformas sociais e distribuiu quase o dobro de cartas e cartas de fundação que as suas antecessoras. Entre outras coisas, ela promoveu a incorporação de cidades e distritos, o que aumentou a eficiência tanto da administração como da indústria. Através dos seus esforços, as cidades foram autorizadas a aparecer perante a lei como corporações. Desta forma, as cidades poderiam possuir terras por direito próprio e utilizar as suas receitas para programas educacionais, alívio deficiente e obras públicas. As portarias municipais poderiam agora também ser promulgadas, dando às cidades um enquadramento para a jurisdição local.

No entanto, a fome e as ondas de doença ocorreram entre a população comum devido a falhas nas colheitas. As reformas precisavam de tempo para surtirem efeito. A fim de centralizar os cuidados aos pobres, Mary mandou fundir cinco instituições de caridade só em Londres para que os pobres pudessem ser cuidados em toda a cidade. Foram emitidas proclamações para que a população faminta soubesse onde os cereais estavam a ser distribuídos. Aqueles que acumularam cereais enfrentaram penalizações severas e os stocks foram regularmente controlados. Embora as medidas introduzidas ainda não mostrassem o resultado desejado sob o reinado de Maria, a sua sucessora Elizabeth deveria beneficiar delas a longo prazo.

Mary procurou aproximar a Inglaterra de Espanha a fim de construir um forte contrapeso à França. Uma razão para tal foi o facto de a sua prima escocesa Mary Stuart estar noiva do herdeiro francês ao trono. Uma vez que Mary Stuart também tinha um direito ao trono inglês, ela era um peão importante para os franceses. O Rei Filipe influenciou assim a sua esposa a reconciliar-se com a sua irmã Isabel e a não a excluir da sucessão, embora várias parcelas tivessem tido lugar em seu nome. Se Isabel tivesse sido excluída e Maria tivesse morrido sem filhos, o trono inglês teria ido para Mary Stuart e assim para a casa real francesa, um cenário que Filipe queria evitar. Em vez disso, tentou casar Elizabeth com o Duque de Savoy Emanuel Philibert, o seu parente distante. Desta forma, o trono inglês teria permanecido sob o controlo de Filipe mesmo na morte de Maria. No entanto, Isabel resistiu a este casamento, e Maria resistiu à pressão de Filipe para casar com a sua irmã sem o consentimento do Parlamento.

A Espanha e a França estavam regularmente envolvidas em guerras entre si. Como havia sempre o perigo de a Inglaterra ser arrastada para o conflito, Mary tentou mediar entre as partes em disputa. Em seu nome, Reginald Pole trouxe as partes opostas à mesa de negociações em Gravelines, em 1555, e procurou mediar. No entanto, a Espanha e a França recusaram-se a fazer cedências e as negociações fracassaram. À grande humilhação da Inglaterra, França e Espanha assinaram um tratado de paz em Fevereiro de 1556 sem mediação inglesa, mas ambos só o honraram até as suas forças se terem recuperado.

Em Setembro, Fernando Álvarez de Toledo, Duque de Alba e Vice-rei de Filipe de Nápoles, atacou os estados papais. Como resultado, o Papa Paulo IV aliou-se ao Rei Henrique II de França e declarou guerra a Filipe e Carlos V. A situação tornou-se ameaçadora para a Inglaterra, pois a França era aliada da Escócia e havia sempre o perigo de uma invasão escocesa em caso de guerra. Maria preparou assim o país para a guerra, mandou levantar tropas e lançar navios. Além disso, o Conselho da Coroa concordou relutantemente em enviar tropas para Filipe no caso de os Países Baixos serem atacados. O Papa, indignado pela solidariedade de Maria com Filipe, despojou então o Cardeal Pole dos seus poderes como enviado papal e ordenou-lhe que voltasse a Roma para enfrentar acusações de heresia. Maria, contudo, recusou-se a concordar com a partida do polaco e exigiu que – se alguma coisa – um tribunal inglês o julgasse. Caso contrário, ela ameaçou retirar o seu embaixador de Roma. Os contemporâneos temiam que a Inglaterra estivesse a enfrentar outro cisma.

Em Março de 1557, Filipe II, agora após a abdicação do seu pai, regressou a Mary em Inglaterra para pedir apoio inglês. Ficou até Julho e persuadiu Maria a ajudar a Espanha na guerra contra a França. Ao fazê-lo, a Inglaterra deveria atacar a costa francesa para dar às tropas em Itália espaço para respirar. Durante a sua primeira estadia em Inglaterra, Philip já tinha providenciado o alargamento e reparação da marinha inglesa. Maria garantiu ao espanhol o seu apoio contra a vontade do povo inglês. O Conselho da Coroa resistiu fortemente, invocando o contrato de casamento. Também aconselhou vivamente a Mary que a Inglaterra não estava em condições de emitir uma declaração de guerra, uma vez que a tesouraria estava vazia e uma guerra com a França acabaria ou prejudicaria gravemente as relações comerciais. De acordo com o embaixador francês Noailles, em conversas privadas Maria ameaçou alguns conselheiros “com a morte, outros com a perda de todos os seus bens e terras se não se submetessem à vontade do seu cônjuge”.

No entanto, só foi feita uma declaração de guerra quando o protestante exilado Thomas Stafford desembarcou em Inglaterra com navios franceses em Abril, capturou o Castelo de Scarborough e declarou que queria livrar o país de Maria, que tinha perdido a sua pretensão ao trono ao casar com um espanhol. Philip deixou novamente a Inglaterra a 6 de Julho, e alguns dias mais tarde as tropas inglesas seguiram-no para o continente. Para alívio de todos, Filipe fez a paz com o Papa em Setembro, mas isto não teve qualquer efeito na guerra com a França. No início, os ingleses conseguiram ganhar vitórias contra os franceses e infligir severas derrotas a Henrique II. Na viragem do ano, no entanto, tornou-se a sua anulação que no Inverno era habitual abster-se de guerras. Ao contrário de todas as expectativas, os franceses atacaram no Dia de Ano Novo e a cidade de Calais, o último bastião da Inglaterra no continente, caiu para França em Janeiro de 1558. Foi um duro golpe para a autoconfiança nacional. O Cardeal Pole chamou à perda “esta súbita e dolorosa catástrofe”, no entanto o Conselho da Coroa concordou que a reconquista era quase impossível e sem preço, muito para o aborrecimento de Philip, para quem Calais tinha sido de grande importância estratégica contra a França.

Morte e Sucessão

Nos seus últimos anos, a Rainha estava de má saúde, tanto física como emocionalmente. Embora tivesse sido uma beleza reconhecida na sua juventude, nos seus últimos anos foi frequentemente descrita como parecendo mais velha do que era, de acordo com os contemporâneos devido a preocupações. Sofria frequentemente de humores depressivos, e a sua impopularidade perturbava-a. O embaixador veneziano Giovanni Michieli relatou como havia uma grande diferença desde o início do seu reinado, quando gozou de tal popularidade entre o povo “como nunca foi demonstrado a qualquer governante deste reino”. A isto se juntaram problemas de saúde que tinham atormentado Maria desde a sua juventude, incluindo cólicas menstruais graves. Nos seus últimos anos, foi muitas vezes sangrada por estas doenças, o que a deixou muitas vezes pálida e emaciada.

Apesar da sua saúde frágil, Maria continuou a esperar dar à luz uma criança. Após a visita de Philip a Inglaterra, Maria experimentou uma segunda falsa gravidez. Desta vez, ela não o informou do seu estado até aos 6 meses de acordo com os seus cálculos. Philip, que ainda estava no continente, expressou a sua alegria numa carta, mas agiu de forma expectante, pois muitas pessoas em Inglaterra tinham dúvidas sobre a gravidez. Ao aproximar-se o 9º mês, Maria escreveu o seu testamento em 30 de Maio de 1558, em caso da sua morte durante o parto. Nele, designou o seu bebé como seu sucessor e nomeou Filipe como regente até o herdeiro ao trono atingir a maioridade. Uma vez que desta vez existiam dúvidas sobre uma gravidez desde o início, não foram preparadas salas de parto.

A saúde de Maria deteriorou-se visivelmente. Sofria de convulsões febris, insónia, dores de cabeça e dificuldades visuais. Em Agosto ela adoeceu com gripe e foi levada para o Palácio de Santiago. Aí ela escreveu uma emenda ao seu testamento admitindo que não estava grávida e que a coroa deveria ir para quem a tivesse direito, de acordo com as leis da terra. Ela ainda hesitou em nomear Isabel como sua herdeira, embora tenha sido instada a fazê-lo pelos espanhóis e pelo seu Parlamento, que queriam evitar que Mary Stuart herdasse o trono. A 6 de Novembro, Maria finalmente cedeu e nomeou oficialmente Elizabeth como sua herdeira e sucessora ao trono. Pouco antes da meia-noite de 16 de Novembro, ela recebeu os últimos ritos. Morreu entre as cinco e as seis da manhã de 17 de Novembro de 1558, com a idade de quarenta e dois anos. Seis horas após a sua morte, Elizabeth foi proclamada rainha, e outras seis horas depois, o velho amigo de Mary, Reginald Pole, também morreu.

O corpo de Maria foi embalsamado, como era costume na altura, e exposto durante três semanas. A 13 de Dezembro, numa grande procissão e com todas as honras próprias de uma rainha, foi transferida para a abadia de Westminster, onde o funeral propriamente dito teve lugar no dia seguinte. A procissão fúnebre foi conduzida pela sua amada prima Margaret Douglas. O Bispo de Winchester, John White, fez um obituário caloroso sobre as suas forças e méritos, a sua coragem em situações críticas e a sua consciência social para com os desfavorecidos. No entanto, também criticou subtilmente Elizabeth neste discurso, razão pela qual ela o colocou sob prisão domiciliária no dia seguinte.

A própria Elizabeth também foi enterrada na Abadia de Westminster em 1603. Três anos mais tarde, o seu sucessor James I ordenou a transferência do seu corpo, ao reclamar o seu lugar de sepultamento ao lado de Henrique VII e Elizabeth de York. Em vez disso, Isabel foi enterrada no túmulo de Maria, por cima do caixão da sua irmã. Jacob doou um grande monumento a Isabel, no qual Maria é apenas mencionada de passagem. A inscrição em latim nas suas lápides lê:

Ao aceder ao trono, Maria foi proclamada Rainha com o mesmo título que os seus antecessores imediatos Henrique VIII e Eduardo VI:Maria, pela Graça de Deus Rainha de Inglaterra, França e Irlanda, Conservadora da Fé e Chefe da Igreja de Inglaterra e Irlanda. O título de Rei de França era tradicionalmente reivindicado pelos reis de Inglaterra em referência aos territórios ingleses em território francês que tinham tido antes da Guerra dos Cem Anos. Embora o título tenha sido mantido até 1802, o monarca inglês não exerceu qualquer poder em França.

Após o casamento com Filipe de Espanha, o casal foi intitulado Rei e Rainha. O nome oficial era: Maria e Filipe, pela Graça de Deus Rei e Rainha de Inglaterra, França, Nápoles, Jerusalém e Irlanda, Defensores da Fé, Príncipes de Espanha e Sicília, Arquiduques da Áustria, Duques de Milão e Brabante, Condes de Habsburgo, Flandres e Tirol.

Com a ascensão de Filipe ao trono, o título mudou novamente: Maria e Filipe, pela Graça de Deus Rei e Rainha de Inglaterra, Espanha, França, Tanto Sicília, Jerusalém e Irlanda, Guardiães da Fé, Arquiduques da Áustria, Duques de Milão e Brabante, Condes de Habsburgo, Flandres e Tirol.

Durante muito tempo, o nome de Maria foi quase exclusivamente associado à brutal perseguição dos protestantes. Uma razão para isto é a atitude fortemente anticatólica que surgiu em Inglaterra após o seu reinado. O protestantismo era visto como parte da identidade inglesa, o catolicismo como parte do domínio estrangeiro, quer pelo espanhol, quer por Roma. Um factor importante para isto foi o casamento impopular de Maria com Filipe. A má reputação de Mary como uma assassina protestante sanguinária deveu-se principalmente à propaganda protestante, como levada a cabo por John Foxe em particular. No século XVII, o rei católico James II solidificou a opinião de que um governante católico era desastroso para o país. Além disso, no século XIX, a Inglaterra, agora protestante, viveu uma fase em que a grandeza inglesa foi vista como pré-ordenada, o que marcou automaticamente Maria Católica como a antagonista na escrita da história.

Hoje em dia, os historiadores pintam um retrato um pouco mais diferenciado de Maria. Apesar das perseguições, Maria foi muito tolerante com os assuntos de fé no início do seu reinado e não tentou converter o povo por coerção sem o consentimento do parlamento. No entanto, faltava a Maria o carisma pessoal e a proximidade natural com as pessoas que Elizabeth possuía. Desta forma, ela julgou mal a situação político-religiosa e especialmente a reacção do povo à mesma. No entanto, Elisabeth levou mais de cinco anos para inverter as mudanças da sua irmã, o que é visto por Ann Weikl como prova de que o catolicismo estava de facto a começar a recuperar uma posição, apesar da perseguição dos protestantes.

Mary é também frequentemente acusada de ter falhado como Rainha de Inglaterra, em contraste com a sua irmã bem sucedida. Os seus contemporâneos criticaram principalmente o facto de o seu casamento ter colocado a Inglaterra sob o “jugo da Espanha”. Ao contrário de Isabel, porém, Maria não teve nenhuma antecessora sob a forma de rainha por direito próprio de cujos erros pôde aprender, uma vez que a sua rival Jane Grey não exerceu nenhum poder real durante o seu curto período de tempo como rainha nominal. A única tradição a que ela se podia referir era a da consorte do rei. Em sessões parlamentares e debates com o Conselho da Coroa, Maria mostrou-se normalmente cooperante e disposta a fazer cedências. As tensões entre ela e o Conselho surgiram principalmente devido à recusa do Conselho em coroar Filipe e em regressar a terras anteriormente eclesiásticas. O problema para ela era que os seus conselheiros estavam em desacordo e por isso não podia confiar plenamente em ninguém. A guerra com a França foi frequentemente culpada como o seu maior erro, principalmente por causa da perda de Calais.

No entanto, a investigação histórica moderna é predominantemente da opinião que o reinado de Maria não pode ser considerado um completo fracasso. Ela ganhou o seu trono contra todas as probabilidades e assim assegurou o domínio da dinastia Tudor. Embora a Inglaterra sempre tivesse temido uma rainha por direito próprio, Mary governou suficientemente bem que o estudioso John Aylmer, tutor de Jane Grey, escreveu sobre ela: “Em Inglaterra não é tão perigoso ter um governante como os homens pensam”. Durante o seu tempo como rainha, iniciou reformas sociais bem como económicas e administrativas, das quais Elizabeth, que assumiu alguns dos conselheiros de Maria, beneficiou de uma forma duradoura. Isabel também aprendeu com os erros de Maria e foi capaz de os evitar durante o seu reinado, tais como casar com um príncipe estrangeiro e a impopularidade das perseguições religiosas. Como primeira rainha de Inglaterra por direito próprio, Maria lançou as bases decisivas para que as monarcas femininas exercessem os mesmos direitos e deveres que os monarcas masculinos.

Medalha de ouro

Em 1554, o último Filipe II encarregou o medalhista Jacopo Nizzola da Trezzo de fazer uma medalha de ouro de Maria. A medalha tinha um diâmetro de 6,7 centímetros e uma massa de 183 gramas. No anverso está a imagem de Maria usando um grande pingente de pérolas sobre uma corrente, um presente de Filipe. O inverso mostra Maria a queimar armas. Este lado da medalha tem a inscrição CECIS VISUS – TIMIDIS QUIES (alemão: den Blinden die Sehkraft – den Ängstlichen die Ruhe). Uma cópia desta medalha encontra-se no Museu Britânico, outra cópia está em mãos privadas nos EUA (a partir de Janeiro de 2010).

Teatro e ópera

No século XIX, a vida de Mary Tudor serviu de modelo para a peça de Victor Hugo Mary Tudor, que foi musicada por Rudolf Wagner-Régeny sob o título Der Günstling e estreada em Dresden em 1935. O libreto foi escrito por Caspar Neher utilizando a tradução de Georg Büchner. A peça Queen Mary, de Alfred Tennyson, foi escrita aproximadamente na mesma altura. A ópera Maria Tudor de Antônio Carlos Gomes, estreada em La Scala em Milão a 27 de Março de 1879, também se baseia no original de Hugo. O libreto para esta ópera foi escrito por Emilio Praga. Giovanni Pacini escreveu uma ópera sobre a Rainha Maria em 1847 intitulada Maria Regina d’Inghilterra.

Cinema e televisão

A personagem Maria Tudor aparece em numerosos filmes. Entre os mais conhecidos encontram-se os mais conhecidos:

Ficção

Maria é o tema dos romances históricos ingleses, alguns dos quais foram traduzidos para o alemão:

Também aparece em romances históricos de países de língua alemã.

2021 viu a publicação do romance gráfico Bloody Mary de Kristina Gehrmann, que traça a história de vida de Mary desde a sua juventude até à sua morte e cuja fonte principal é a biografia de Carolly Erickson.

Fontes

  1. Maria I. (England)
  2. Maria I da Inglaterra
  3. Anna Whitelock: Mary Tudor. England’s First Queen. Bloomsbury 2010, S. 7
  4. Linda Porter: Mary Tudor. The First Queen. Piatkus 2009, S. 13
  5. a b Anna Whitelock: Mary Tudor. England’s First Queen. Bloomsbury 2010, S. 10
  6. Anna Whitelock: Mary Tudor. England’s First Queen. Bloomsbury 2010, S. 17
  7. a b c Debido a la disputada sucesión de Eduardo VI, se conservan varias fechas en las fuentes sobre el ascenso de María al trono. La lista de monarcas ingleses del Oxford Dictionary of National Biography (2004) indica el inicio del reinado de María el 6 de julio —la fecha de la muerte de su medio hermano—, así como la de Juana I.[6]​ Por otro lado, según el Handbook of British Chronology (1986), en la que se basa la fuente anterior, señala que su reinado comenzó después de la caída de Juana I (19 de julio).[7]​ Sus años de reinado se cuentan desde el 24 de julio, cuando María fue notificada en su residencia en Framlingham sobre la decisión del consejo privado el 19 de julio.[8]​
  8. También conocida por su nombre sin su número regnal: María Tudor (en inglés, Mary Tudor).[4]​[5]​
  9. La cita en latín es Domine Orator, per Deum immortalem, ista puella nunquam plorat.[27]​
  10. A partir de 1525, era mencionada formalmente como «princesa de Gales» en documentos oficiales, si bien no tuvo ceremonia oficial.[33]​
  11. También sus consejeros temían la posibilidad de que María se casara con un extranjero.[95]​
  12. Em inglês: Bloody Mary.
  13. Catarina passou por sete gravidezes no total;[6] em janeiro de 1510, ela abortou uma menina e deu à luz um menino natimorto em novembro de 1513 — enquanto era regente da Inglaterra. Outro menino nasceu morto em 1515.[7] Em 1517, a rainha sofreu outro aborto e em sua sétima gravidez, em 1518, deu à luz uma menina que viveu por poucas horas.[8]
  14. Historiadores creditam a morte de Henrique VIII como resultado da obesidade; no entanto, sífilis, escorbuto e gota também são apontadas como a causa de seu falecimento.[109][110]
  15. Em latim: Regno consortes et urna, hic obdormimus Elizabetha et Maria sorores, in spe resurrectionis.[208]
  16. ^ Her half-brother died on 6 July; she was proclaimed his successor in London on 19 July; Weir (p. 160) says her regnal years were dated from 24 July, while Sweet and Maxwell’s (p. 28) says 6 July.
  17. ^ Although he was in deacon’s orders and prominent in the church, Pole was not ordained until the day before his consecration as archbishop.[130]