Giovanni Battista Ramusio

Resumo

Giovanni Battista Ramusio (20 de Julho de 1485, Treviso, Veneza) foi um geógrafo, historiador e estadista veneziano. Fundador do género de compilações de travelogues populares na era das grandes descobertas geográficas (Gaklut, Purchess).

Nascido em Veneza em 1485, na família de um magistrado da cidade. Aos trinta anos tinha-se tornado Chanceler da República de Veneza, trabalhando em estreita colaboração com Doge Alvise Mocenigo. A partir de 1515 foi secretário do Conselho dos Dez. Ele tinha um filho, Paolo.

Realizou várias missões diplomáticas como embaixador em França, Suíça e Roma. Diplomata refinado e proficiente em várias línguas, foi nomeado embaixador da República de Veneza no Tribunal Europeu de Louis XII. Durante este período, interessou-se pela expansão francesa na América do Norte. Nesta altura, a República de Veneza estava interessada nas rotas marítimas para as Américas, o que era visto como um novo mercado atractivo para o comércio veneziano, uma vez que este último sofria de pressão e avanço otomano no Mediterrâneo. Graças às suas ligações diplomáticas, conseguiu facilmente obter relatórios das viagens do navegador bretão Jacques Cartier enviados pelo rei Francisco I à Nova França.

Ao mesmo tempo, mostrou um talento para desenhar mapas geográficos e produziu mapas detalhados de todos os novos portos comerciais. Um mapa dos portos mediterrânicos foi desenhado por ele nas salas do palácio do Doge.

A sua principal obra, Delle Navigationi et Viaggi (Voyages and voyages) é a primeira colecção de tratados geográficos da era moderna.

A obra foi publicada em Veneza em três volumes [vol. 1-1550, vol. 3-1556, vol. 2-1559 (publicada postumamente)]. O primeiro volume foi publicado em 1550, logo seguido por um terceiro em 1556. A publicação do segundo volume foi atrasada porque o manuscrito foi destruído num incêndio antes de ser enviado para a tipografia, e foi finalmente publicado em 1559, dois anos após a morte do autor. “Delle navigationi et viaggi” foi traduzido em várias línguas e reimpresso várias vezes, mostrando a grande popularidade do livro no continente.

Esta obra monumental foi uma das primeiras a ser escrita no género literário do relato de viagem da compilação. Como outros autores de tais obras, o próprio Giovanni Ramusio nunca deixou a Europa.

Delle navigationi et viaggi é uma compilação de observações geográficas e descrições de Marco Polo, Nicolo Conti, Fernand Magellan, Alvar Núñez Cabeza de Vaca, Josaphat Barbaro, e uma tradução de Leo African’s Africa, a Terceira Parte do Mundo. O trabalho é uma fonte valiosa para descrever as histórias de descoberta e exploração geográfica na Ásia, África e nas Américas.

É neste trabalho que o mapa La Terra De Hochelaga Nella Nova Francia descreve pela primeira vez o Monte Mont Royal como Monte Reale e dá uma representação esquemática da aldeia iroquesa de Hochelaga, a primeira aglomeração da futura cidade de Montreal. Os mapas de Navigationi e Viaggi foram criados por Giacomo Gastaldi.

A conta de Marco Polo pode ser encontrada no segundo (primeira edição) ou no terceiro volume de Navigazioni e Viaggi. O texto é reescrito e inclui numerosas modificações e adições, por vezes importantes (o assassinato de Ahmat, a descrição de Hangzhou, a supressão do nome de Marco no capítulo sobre Xianyang). Este texto de Ramusio serviu de base para a primeira edição académica de Marco Polo, publicada por W. Marsden em 1812.

Fontes

  1. Рамузио, Джованни Баттиста
  2. Giovanni Battista Ramusio
  3. 1 2 3 4 Большая советская энциклопедия: [в 30 т.] / под ред. А. М. Прохорова — 3-е изд. — М.: Советская энциклопедия, 1969.
  4. 1 2 3 Рамузио (Ramusio) Джованни Баттиста – статья в Большой советской энциклопедии. // БСЭ.
  5. Claire Jowitt. Richard Hakluyt and Travel Writing in Early Modern Europe. — CRC Press, 2016-03-23. — 399 с. — ISBN 978-1-317-06310-0.
  6. ^ Bound in Venice: The Serene Republic and the Dawn of the Book, Alessandro Marzo Magno
  7. a et b Treccani, art. Ramusio, Giovanni Battista (lire en ligne).
  8. a et b Gadrat 2010.
  9. Voir liste en italien.
  10. lire en ligne sur Gallica
  11. Yule-Cordier 1903, p. 141.
  12. ^ Aloisio Mocenigo,[2] also sometimes named as Alvise, and so confused with his later-era kinsmen and doges of Venice: Alvise I Mocenigo, Alvise II Mocenigo and Alvise Giovanni Mocenigo. Aloisio, probably with Ramusio’s aid, sourced in France – and brought back to Venice – a hitherto unknown early manuscript of Pliny the Younger’s Letters. This version of Pliny was printed in 1508 by the Aldine Press[3][4]